Virgin River – Review da 5.ª Temporada (Parte 1)
| 07 Set, 2023
7.55

Publicidade

A partir de hoje, os dez episódios que compõem a primeira parte da 5.ª temporada de Virgin River já estão disponíveis na Netflix. Assim, vamos poder continuar a acompanhar a vida dos habitantes desta bela pequena cidade da Califórnia.

Em especial, continuamos a acompanhar Mel (Alexandra Breckenridge), que está grávida, o que fará com que tome uma decisão quanto à sua permanência na clínica, e Jack (Martin Henderson), o seu futuro marido, que descobriu que afinal não é o pai dos filhos de Charmaine (Lauren Hammersley). Isso fará com que ele tenha de enfrentar e resolver algumas questões relacionadas não só com o seu passado, mas também com a própria Charmaine.

Continuaremos a acompanhar também Doc (Tim Matheson) e a esposa Hope (Annette O’Toole), sendo que as suas narrativas estarão mais interligadas com os seus problemas de saúde e o impacto que estes têm não só na sua vida pessoal, mas principalmente a nível profissional.

Quanto a Lizzie (Sarah Dugdale) e a Denny (Kai Bradbury), nunca me convenceram muito enquanto casal, essencialmente porque Denny, na temporada anterior, parecia uma personagem bastante suspeita, deixando-me com imensas dúvidas quanto às suas verdadeiras intenções. No entanto, o certo é que, nesta temporada, o desenvolvimento individual dos dois, aliado às interações entre eles, mas também com as restantes personagens, permitiram abordar algumas temáticas bastante interessantes.

Relativamente a Preacher (Colin Lawrence), por mais expectativas que tenha quanto ao desenvolvimento da sua história, o rumo que lhe é dado acaba sempre por ser imprevisível. Confesso, honestamente, que não sei dizer se estou a gostar ou não do desenvolvimento que lhe está a ser dado, porque parece que nos é sempre prometido tanto, mas depois acaba por sair tudo ao lado. Isso e o facto de tudo acontecer sempre demasiado rápido. Mal dá tempo para nos importarmos minimamente com o que nos está a ser apresentado. A surpresa no inesperado é algo que me agrada, mas tenho de admitir que não estou muito convencida. O que é pena, porque até simpatizo bastante com Preacher. Vamos aguardar para ver o que a 2.ª parte lhe reserva, embora eu acredite que só iremos ter desenvolvimentos mais aprofundados na 6.ª temporada.

A vida de Brady (Ben Hollingsworth) e de Brie também não vai ser facilitada, não estivesse Brady envolvido, ainda que contra a vontade, com Melissa (Barbara Pollard), a cabecilha por detrás da rede de tráfico de droga que opera na Emerald Lumber, e Brie (Zibby Allen) fosse em frente com a denúncia contra o ex-namorado.

Caso estejas com expectativas muito altas quanto a certos desenvolvimentos deixados em aberto na temporada anterior, é de relembrar que Virgin River costuma criar cliffhangers intensos, mas depois a continuação que lhes é dada acaba por não ser nada de mais. Confesso que isto me deixa um pouco frustrada, mas a verdade é que já não me devia surpreender, uma vez que é algo bastante recorrente.

Contudo, esta 5.ª temporada de Virgin River trouxe efetivamente algumas decisões e revelações inesperadas que me surpreenderam bastante, mas tenho de admitir que algumas não me agradaram muito, especialmente porque tenho a certeza de que se a série fosse finalizada, parte dessas decisões não teriam sido tomadas. Espero, honestamente, que acabem por reconsiderar pelo menos uma delas ou irei ficar ligeiramente triste.

Sendo assim, só me resta esperar para ver o que a 2.ª parte (dois episódios festivos confirmados para novembro) nos reserva, sendo que também já está confirmada uma 6.ª temporada.

Melhor episódio:

Trial by Fire (Episódio 5) – Ainda não tinha terminado de ver este episódio e já tinha a certeza absoluta que o iria escolher. É, sem sombra de dúvida, um dos episódios mais intensos, não só desta 5.ª temporada, mas, atrevo-me a dizer, de todas as outras também. Apesar de ter sido maioritariamente triste e angustiante, os vários contextos apresentados, juntamente com um discurso emocionante e notável por parte de Brie, tornaram impossível ficar indiferente a este episódio.

Personagem de Destaque:

Brady – Se não tivesse escolhido Lizzie na temporada anterior, seria ela a minha escolha. Definitivamente, é uma das personagens que mais crescimento tem demonstrado e tornou-se uma das minhas favoritas. As minhas expectativas para o seu desenvolvimento nesta temporada já estavam altas e não ficaram aquém, muito pelo contrário! Uma vez que já a tinha escolhido, não me restavam dúvidas quanto à personagem alternativa, sendo que Brady também já me tinha passado pela cabeça em temporadas anteriores. Este também tem vindo a sofrer um excelente desenvolvimento e tenho um enorme apreço pelo personagem. O esforço dele para ser alguém melhor é bastante notável! Embora entenda que seja difícil para os restantes acreditarem nessa mudança, dado que no passado já lhes causou algum sofrimento, gostava que o vissem da forma que nós, espectadores, o vemos, pois é alguém que está realmente a tentar fazer o melhor que consegue. Não apenas por ele, mas principalmente por aqueles de quem gosta.

Temporada: 5
Nº Episódios: 10
7.55
7
Interpretação
7.5
Argumento
8
Realização
8
Banda Sonora

Publicidade

Populares

calendário estreias posters junho 2024

those about to die

Recomendamos