Classificação

9
Interpretação
8.5
Argumento
8.5
Realização
9
Banda Sonora

Temporada: 1

Número de episódios: 8

[Não contém spoilers]

Criada por Kumail Nanjiani e Emily V. Gordon, as mentes do filme The Big Sick, do qual, por acaso, gostei bastante, Little America é uma antologia, com episódios independentes, que retrata histórias verídicas de imigrantes nos Estados Unidos da América, publicadas na revista Epic Magazine.

Com episódios curtos e apenas oito no total, é escusado dizer que vi a série toda de uma assentada. Little America é apresentada como comédia, mas é um tipo de comédia especial, daquelas que também nos fazem chorar de felicidade.

O tema da imigração tem vindo a aumentar nas séries norte-americanas, estando relacionado em grande parte com os acontecimentos dos últimos anos no país e na política infeliz de Trump. Contudo, ao contrário do que acontece habitualmente com este tema, aqui é retratado com um sentimento de esperança, com histórias inspiradoras e tão genuínas que é impossível ficar indiferente a cada uma delas.

Para além de ter uma história nova, cada episódio inclui elenco, argumentistas e realizadores diferentes, o que confere a cada episódio particularidades únicas e uma visão privilegiada das diferenças culturais e linguísticas de cada história. É de louvar, em especial, o cuidado a nível musical, personalizado para cada episódio, logo a partir do genérico de introdução.

Adorei o facto de todas as histórias terem de alguma forma um final feliz, porque a nossa vida já tem problemas suficientes e nem sempre apetece ver séries tristes e deprimentes, mas atenção que esta não é uma série 100% ligeira e descontraída. Little America é bem sucedida a transmitir uma vibe positiva e otimista, ao mesmo tempo que consegue mostrar as dificuldades inerentes à imigração, contendo uma carga emocional que varia de episódio para episódio (e da personalidade lamechas de cada um).

No que diz respeito às interpretações, apesar de o elenco na sua maioria não ser muito conhecido, os atores safam-se muito bem, em especial aqueles cujas personagens são o foco de cada episódio. Para além disso, não posso deixar de congratular a diversidade do elenco e da equipa técnica da série.

Para terminar, confesso que não coloco todos os episódios no mesmo patamar de excelência, mas, no seu conjunto, Little America foi a série que mais gostei das que vi da Apple TV+ (See, The Morning Show e For All Mankind) e não esperava chegar ao final tão sensibilizada. Aconselho vivamente a darem uma oportunidade a Little America e que venha a 2.ª temporada!

.

Melhor episódio:

Episódio 8 – The SonThe Son retrata o percurso de um homem sírio e a sua tentativa de se refugiar nos E.U.A., de forma a ter a liberdade de amar quem bem entender. Este foi sem dúvida o meu episódio favorito e o que mais me emocionou. Por toda a beleza da história, as cores das imagens e o facto de ter o sub-tema da homossexualidade aliado à imigração, que por si só já enfrenta bastante preconceito, com o acréscimo do repúdio existente nos países muçulmanos. Haaz Sleiman não desilude no papel de protagonista e, num episódio tão visual, ele consegue transmitir na perfeição as suas emoções.

Personagem de destaque:

Kabir (Episódio 1 – The Manager) – Não foi fácil escolher apenas uma personagem no meio de todos os protagonistas, havendo algo de especial em cada um deles. Kabir é representado por Ishan Gandhi, Eshan Inamdar e Suraj Sharma, que nos mostram a comovente história de um menino extraordinário indiano, cujos pais são donos de um hotel. Aos 12 anos, Kabir é obrigado a gerir o hotel sozinho quando os seus pais são deportados para a Índia e acaba por dedicar vários anos da sua vida a ajudá-los a regressar.

Ana Velosa