Classificação

6.5
Interpretação
5.5
Argumento
5.5
Realização

Há três anos, estreou na Hulu uma comédia adolescente chamada All Night, da qual vi agora o episódio piloto. A série, que tem apenas uma temporada e está disponível na HBO Portugal, passa-se durante uma festa de pós-graduação do liceu que dura toda a noite (é inevitável a música de Toy não me vir à cabeça, por muito mau que isso seja) e da qual os alunos não podem sair até acabar. Porque é que alguém haveria de inventar uma regra dessas, que aliada à interdição de telemóveis e aparelhos eletrónicos ainda torna tudo mais estranho? A premissa até é engraçada, mas acho que não faz muito sentido e a execução não me parece que vá resultar, mas só posso especular, porque este episódio ainda não navega muito na festa propriamente dita.

O episódio é curtinho, com cerca de 25 minutos, e passa rápido, algo que nunca é mau sinal, mas parece-me que há personagens a mais. Os elencos excessivamente grandes são mais vezes prejudiciais do que benéficos e parece-me que se trata de mais uma prova disso. Depois, há os estereótipos do costume: a miúda inteligente que todos acham irritante e que se esforça demasiado, os nerds que querem sair da cave (metafórica e literalmente) e serem finalmente vistos, os melhores amigos que querem ser mais do que isso, mas não se atrevem… Por acaso foi nesta dupla de melhores amigos que encontrei o foco de maior interesse da série, sendo que o rapaz se revelou o personagem mais cativante de todos. No entanto, nem sequer fui capaz de decorar nomes. De ninguém!

Parece-me que a série até foi capaz de criar uma premissa minimamente gira, mas que depois não soube muito bem o que fazer com ela. É claro que são óbvias algumas das coisas que se podem esperar nos próximos episódios, mas acho que All Night não fez o suficiente para cativar o público a continuar a ver para além do episódio piloto. As séries de adolescentes, salvo algumas exceções como One Tree Hill, Friday Night Lights e The O.C. nunca foram muito a minha cena, mas aqui parece-me que faltam vários dos elementos que fizeram destas e de outras apostas do mesmo género verdadeiros sucessos junto do público. Não há personagens cativantes, não há um guarda-roupa giro, não há drama interessante, nem sequer há comédia, porque não houve nenhum momento engraçado. Bem, mas não se esqueceram de uma coisa: os miúdos a introduzirem álcool na festa. Isso nunca falha!

All Night não se destaca pela negativa em nenhum aspeto em especial, mas isso por si só não chega. Num género que já nos trouxe tantas séries boas, qualquer coisa que não envolva distanciar-se das demais ou brilhar acaba por cair na irrelevância.

Diana Sampaio