Classificação

7
Interpretação
6
Argumento
6
Realização
7.5
Banda Sonora

[Contém spoilers]

O Globoplay é o novo serviço de streaming em Portugal e aproxima-nos ainda mais das produções brasileiras, portanto aqui, no Séries da TV, não quisemos perder a oportunidade de explorar a plataforma para te dar a conhecer algumas das séries que fazem parte do catálogo. Ao explorar a Globoplay, saltou-me à vista Assédio e decidi ver o episódio piloto.

A série estreou em setembro de 2018 e baseia-se no livro A Clínica: A Farsa e os Crimes de Roger Abdelmassih, que conta a história verídica de um médico brasileiro que foi condenado a 278 anos de prisão por dezenas de crimes de violação a pacientes e outros de tentativa de violação.

A intro da série é bastante boa e depois somos apresentados à história de uma mulher que recorre a um médico especialista em fertilização in vitro para engravidar, depois de anos e anos sem conseguir levar uma gravidez até ao fim. O tema da série é extremamente interessante, mas a forma como a história está construída não me cativou. O episódio tem 37 minutos, mas confesso que olhei várias vezes para a barrinha do tempo para ver quanto faltava para terminar.

O Dr. Roger Sadala parece um daqueles médicos incríveis que faz as pacientes sentirem-se bem, ainda para mais quando estão a passar por uma situação tão angustiante, mas não tarda a que revele a sua verdadeira natureza. Tal é perfeitamente claro quando assistimos a um jantar em família e mais subtilmente numa celebração dedicada às conquistas da fertilização in vitro e onde Roger é a estrela principal.

A série dá saltos temporais para nos mostrar várias alturas desta história, mas a verdade é que isso não ajuda muito à compreensão dos acontecimentos e como as coisas se encaixam umas nas outras. No entanto, a cena final é perfeitamente elucidativa acerca do tema desta série e é imensamente forte, apesar de não ser gráfica. Não precisou de o ser para me deixar profundamente chocada e revoltada com a forma como este homem foi capaz de se aproveitar de uma mulher vulnerável que confiou nele e nele depositou também as suas últimas esperanças de poder ser mãe.

O argumento não se destaca e a realização, apesar de ter um toque diferente, também não é marcante. Quanto ao elenco, não se pode dizer que nenhum dos elementos seja mau, mas ainda não houve personagens que conseguissem brilhar e não consegui sentir ligação a nenhum. Foi na banda sonora que encontrei o aspeto mais positivo do episódio, mas senti que o que vi não foi o suficiente para querer ver mais. A temática da série prometia muito, mas não me encheu as medidas.

Diana Sampaio