Classificação

7.1
Interpretação
6.5
Argumento
7
Realização
7
Banda Sonora

[Contém spoilers.]

Regressamos esta semana com um novo episódio de Legacies e, assim, com uma nova review desta série. Neste novo capítulo, intitulado I Was Made To Love You, as suspeitas de Hope alcançam o seu auge depois de Wade partilhar novas informações consigo, em You Can’t Run From Who You Are. Para desvendar os segredos do misterioso artefacto, Alaric vê-se obrigado a juntar forças com um inimigo do seu passado. Entretanto, MG é forçado a tomar uma decisão difícil após Ethan se colocar em perigo.

Cada vez que penso que Legacies se começa a afastar do tempo despendido sobre Landon e o Necromancer, eis que voltamos à estaca zero. Ambos os personagens têm surgido como uma pedra no meu sapato, influenciando de forma negativa o meu investimento na série; que, recordo, comecei a ver por Hope, Lizzie e Josie – os legados de The Originals e The Vampire Diaries. No entanto, I Was Made To Love You faz um trabalho suficientemente bom em trazer algum interesse às suas narrativas, ao ponto de me levar a olhar para o lado (ainda que por um episódio, apenas).

De facto, as revelações do episódio anterior levam a que Hope passe grande parte deste novo capítulo a tentar descobrir se Landon é realmente quem afirma ser – e, caso se confirme que o personagem não passa de um impostor, procurar desvendar quem está por detrás desta enorme fachada. Para este efeito, a nossa protagonista coloca em andamento um plano simples, mas eficaz, oferecendo ao impostor um burrito cujo recheio contém abacates, uma fruta à qual Landon é extremamente alérgico. Confirmadas as suas suspeitas, Hope concentra-se em descobrir quem se faz passar pelo seu namorado, chegando à conclusão que se trata de nada mais, nada menos que o golem que criou com a ajuda de Cleo em Yup, It’s a Leprechaun, All Right. A meus olhos, a revelação surge como uma pequena desilusão, uma vez que acredito que o comportamento de Landon era suspeito muito antes de Hope ter esculpido o seu busto, mas escolho não me debruçar muito sobre o assunto. Na realidade, a verdadeira desilusão surge quando a personagem descobre que Cleo é a pessoa por detrás desta ilusão, tendo manipulado este Landon de barro como se de uma marionete se tratasse.

A traição de Cleo agrava-se quando a musa ataca Hope com um machado, fixando a nossa protagonista contra uma viga de madeira. A personagem afirma não querer destruir Hope; pelo contrário, pretende ativar o seu lado de vampiro, libertando todo o seu potencial e forçando a tríbrida a cumprir o seu destino de destruir Malivore de uma vez por todas, abrir o artefacto e, assim, liberar Cleo – que é o próprio artefacto, mas também se encontrava presa no artefacto… Não vou tentar explicar a lógica por detrás destes acontecimentos, até porque, de forma propositada (ou assim quero acreditar), Legacies recusa-se a tornar as motivações de Cleo e a sua backstory explícitas já neste episódio, sendo que as deve abordar já esta semana em One Day You Will Understand.

Qualquer discurso que a personagem tinha preparado é abruptamente interrompido quando o Hunter que tem aparecido ao longo desta temporada golpeia a sua cabeça, deixando Cleo inconsciente no chão e salvando, assim, Hope. É neste episódio que a série resolve revelar a identidade deste misterioso personagem, confirmando que Landon – o verdadeiro Landon Kirby, isto é – é, de facto, o homem por detrás da máscara. Ainda que a revelação não surja como uma surpresa para a maioria dos fãs, levanta uma série de questões relativamente ao tempo passado por Landon no mundo-prisão e quais as consequências deste desafio sobre o personagem. Espero que estes assuntos sejam abordados o quanto antes, em parte porque desejo que a série siga em frente, para além desta storyline, mas também porque o vídeo promocional do próximo episódio me despertou alguma curiosidade.

Assim, relativamente a esta porção do episódio, tenho a dizer que Legacies conseguiu não ficar aquém das minhas (tipicamente baixas) expectativas. Fiquei agradavelmente surpreendida pelas várias performances a que pudemos assistir em I Was Made To Love You; não só tivemos a oportunidade de ver um lado mais vingativo e calculado de Hope, ao qual não temos acesso há algum tempo, mas também conseguimos apreciar Landon e Cleo na posição de seus antagonistas. Ainda que, em termos narrativos, tudo se tenha desenrolado de forma mais ou menos previsível, prefiro esta previsibilidade com sentido ao habitual estado desorganizado e absurdo de Legacies.

Enquanto tudo isto se desenrola na Salvatore School, Josie e Alaric procuram ressuscitar Leonardo Da Vinci de modo a descobrir novas informações sobre o infame artefacto por ele criado. Assim, encontram o Necromancer – peço desculpa, quero dizer Ted –, que, após a sua aparição enquanto colaborador numa gelataria em I Couldn’t Have Done This Without You, regressa agora na qualidade de agente funerário. Apesar de se encontrar desprovido das suas memórias, Ted consegue trazer de volta o famoso polímata, que serve o seu propósito na medida em que estabelece a ligação entre Cleo e o artefacto. Fora isso, e uma vez que ninguém na escola sabe falar italiano, não tem grande utilidade. De qualquer modo, este episódio serve ainda para redimir o Necromancer aos olhos da audiência e, mais importante, de Alaric, mostrando o personagem a sacrificar-se para ajudar o resto.

Já em Mystic Falls, as cenas partilhadas por MG e Ethan relembram aos fãs da série que esta tem lugar no mesmo universo de The Vampire Diaries, fazendo menção a vários elementos do lore desta saga. Depois de Ethan se magoar com alguma seriedade no episódio anterior, MG usa o seu sangue para o curar. O seu plano para ajudar o humano acaba por não correr conforme planeado, uma vez que o desejo de Ethan de fazer parte do mundo sobrenatural o leva a correr riscos cada vez maiores, chegando o personagem a considerar o suicídio de modo a poder regressar à vida enquanto um vampiro. A dinâmica entre os personagens demonstra que nem sempre fazer o mais correto é fácil, mas a verdade é que podemos contar em MG para tomar boas decisões. Ao aperceber-se que a perspetiva de Ethan sobre o assunto não se irá alterar, o vampiro toma a decisão de apagar as suas memórias das aventuras partilhadas pelos dois, sacrificando esta sua nova amizade pela segurança do humano. Já me deveria ter habituado a Legacies acabar com tudo aquilo de que gosto na série, mas a verdade é que nem sempre estou preparada para que isso aconteça e, apesar dos episódios anteriores, estava em negação. 

Por fim, resta-me apenas referir que, graças ao encorajamento de Ted, Josie finalmente decidiu ir atrás de Finch. Não é segredo que não sou fã desta relação por razões que tenho vindo a mencionar, mas sinto-me na obrigação de relatar que este duo está finalmente a progredir. Esta evolução é motivada, em grande parte, pelo facto de Josie ter confrontado a lobisomem sobre a sua condição (e, de igual modo, por Finch ter admitido saber que a gémea é uma bruxa). Não me sinto muito confortável com a ideia de Josie resolver regressar agora à Salvatore School, com Finch a seu lado, mas veremos como a série abordará a relação.

Como nota de rodapé, tenho a dizer que senti a falta de Lizzie, neste novo episódio de Legacies. Conforme referi anteriormente, a personagem tem sido uma das minhas favoritas nesta 3.ª temporada, surgindo como uma boa distração aos aspetos menos positivos destes episódios. Assim, aguardo ansiosamente o seu regresso. 

Legacies regressa já esta semana com um novo episódio em One Day You Will Understand. Até lá, podes acompanhar a série através da HBO Portugal, que disponibiliza um novo episódio todas as sextas-feiras.

Inês Salvado