Classificação

7.8
Interpretação
7.7
Argumento
7.6
Realização
8.1
Banda Sonora

[Contém spoilers]

“Quilled by common Will”

Sabiam que Shakespeare era católico? Que era casado e tinha 3 filhos? Que muitos consideram que este seria um pseudónimo de Christopher Marlowe? A resposta a estas perguntas e muitas outras é o que esta série sobre William Shakespeare promete aprofundar.

Pela mente de Craig Pearce, criador do aclamado filme Romeu + Julieta (1996), com Leonardo DiCaprio e Claire Danes, e também conhecido pelo seu trabalho em Moulin Rouge! (2001) e O Grande Gatsby (2013), chega à TNT a nova série dramática sobre o poeta e dramaturgo mais influente de sempre, Will.

O piloto teve como realizador Shekhar Kapur – conhecido por Elizabeth (1998) e Elizabeth – A Idade de Ouro (2007), que é responsável também pelos próximos dois episódios, sendo que, no total, a 1.ª temporada contará com 10 episódios.

Entre as estrelas escolhidas para dar vida à serie destacam-se o novato Laurie Davidson no papel principal, Olivia DeJonge como Alice Burbage, Mattias Inwood (The Shannara Chronicles (2016)) como Richard Burbage e Colm Meaney (Hell on Wheels) como James Burbage.

Ao género do filme A Paixão de Shakespeare (1998), nesta série seguimos um jovem William Shakespeare no começo da sua descoberta de Londres e no início da sua carreira teatral. O mistério e a polémica que rodeiam muitos dos anos da vida do famoso poeta levaram a diversas tentativas pela parte de biógrafos para explicar a sua vida, assim como demonstram ser um pano de tela perfeito para o grande ou pequeno ecrã explorar.

Nas palavras de Steve e Diana em Wonder Woman (2017):

“Welcome to jolly old London!”

“It’s hideous”

“Yeah, it’s not for everyone”

Will deixa para trás a sua família em Stratford para se aventurar em Londres, onde procura fazer sucesso, seja como ator ou escritor. Aos tropeções vai de encontro a James Burbage, que seria fundamental para lançar a sua carreira no teatro. O melhor do piloto passa pelo confronto entre Will e Robert Greene (Epic Rap Battle of History!!!), assim como a cena final da sua peça de teatro.

Com uma boa retratação da época e da vida no teatro, assim como com apelativos cenários e vestuário, este piloto é obrigatório tanto para os amantes do teatro como de História. E o seu aspeto biográfico poderá interessar também a quem está a apreciar a série Genius (2017). Em termos musicais, a série poderá lembrar Harlots (2017), conjugando um tempo passado com música moderna. O pior, ou aquilo que deve ser melhorado, centra-se no à-vontade dos atores nos seus papéis – o plot relacionado com Presto (Lukas Rolfe) parece ser bastante interessante apesar de o jovem ator necessitar de “ser mais como um espelho”, assim como no enriquecimento do enredo, que por vezes parece demasiado óbvio e pouco aprofundado.

Entre a vida de Will, perseguições religiosas, a família Burbage e o drama do jovem Presto, Will é uma série que promete oferecer uma história e um ambiente envolvente. Esperando que a série vá melhorando ao longo dos episódios será uma boa aposta e com uma grande possibilidade de renovação para uma 2.ª temporada. O segundo episódio, “Cowards Die Many Times”, terá estreado no mesmo dia do piloto, pelo que os interessados poderão começar já a mergulhar no mundo de Hamlet, Macbeth e, claro, Romeu e Julieta.

Emanuel Candeias