Classificação

8.4
Interpretação
8.3
Argumento
8.5
Realização
8
Banda Sonora

A estrada que é mais uma autoestrada rumo ao inferno (“Highway to Hell”, AC/DC)

Após uma semana de pausa, Outcast volta e com grandes revelações. Estando no 5.º episódio, chegamos à mid-season onde tudo está em aberto, com Kyle e Anderson a acumular cada vez mais perguntas ao longo do caminho e Sydney a preparar as tropas para o que quer que aí vem.

Depois de Kyle mostrar a sua preocupação por a sua ex-mulher, Allison, ainda poder estar possuída, parte mais o reverendo para tirar as dúvidas. Mais uma vez, a cena inicial esteve espetacular, desta vez com a filha de Kyle, Amber, a brincar com as suas barbies e basicamente a resumir a tragédia que se passou com a sua família. Quando nos é revelado o que realmente aconteceu, segundo o ponto de vista de Allison, o panorama é devastador e inexplicável. Imaginem-se no lugar de Allison, tudo está bem num dia e no dia a seguir acordam com um olho completamente negro (Kyle vai também entrar para a história por ter os exorcismo mais parecidos a um combate de boxe. O Mayweather que se ponha a pau! Lol) e a polícia a dizer que o vosso marido vos agrediu e à vossa filha… Os produtores também estão de parabéns pela forma como tão bem cruzaram e mascararam os sintomas da depressão e ansiedade com os da possível possessão de Allison. O modo como o mundo real e o oculto se sobrepõem nesta série é um dos seus pontos mais fortes e chega por vezes a ser arrepiante.

Continuando com a dupla maravilha, Kyle e Anderson, as dúvidas dos prévios sucessos dos exorcismos do reverendo tornam-se tão grandes que estes decidem fazer umas visitas às anteriores vítimas. E surpresa das surpresas, parece que nenhuma delas ficou realmente livre dos “demónios”. O que é que isto quer dizer sobre os supostos poderes do reverendo Anderson e da sua fé em Deus? E a complexidade sobre as pessoas possuídas cada vez aumenta mais: enquanto uns, com o tempo, ficam mais fortes e despertos, parece que outros ficam apenas num estado de dormência e se calhar nem estão bem cientes de que estão possuídos. Esta semana as possessões também agradaram a gregos e a troianos, passando de abordagens mais modelares para outras mais originais. A situação com a filha de Roy foi uma clássica cena de filme de horror com possessão demoníaca. Por outro lado, ver um demónio ameaçar com uma caçadeira é algo que à primeira vista não nos passa pela ideia.

“É o papel do pai proteger a família. Quando ele falha…”, Roy para Anderson e Kyle.

Ainda à volta das pessoas possuídas, tivemos algum desenvolvimento com Mildred e Sydney. Este homem de preto continua a ser uma das personagens mais enigmáticas. Sabemos que o seu interesse é em Kyle e que parece estar a pôr em marcha preparativos para o evento chamado de “Fusão”, mas de resto tudo continua envolto em nevoeiro. No entanto, descobrimos que quando os demónios se põem em cima de Kyle a dar uma de Dementors e a sugar-lhe a alma (o que quer que seja), parece que isso lhes dá poder.

O subplot do chefe Giles vai andando devagarinho, mas a acumular muito momentum e muito suspense. Giles demonstra que é um polícia bastante astuto e apesar de as pistas ainda não darem a culpa de nada a Paul, isto está longe de estar terminado.

De perguntas finais ficam duas principais:

  • Acham que Sherry está melhor agora? A suposta salvação da alma vale um coma para o resto da vida?
  • Se fossem vocês, teriam contado a verdade a Allison no final?

O próximo episódio chega-nos já na próxima semana, “From the Shadows It Watches”, e com Sydney cada vez mais ativo, a pergunta que se põe é se Kyle estará à altura do desafio e se não acabaremos a temporada a ver “Roma a arder”. Até lá, tenham cuidado com os sítios escuros. Outra sugestão de um filme de terror, que irá estrear ainda este mês (21 de julho, se não me engano), é Lights Out. Para quem aprecia criaturas verdadeiramente assustadoras que vos irão tirar o sono e que gosta também de tensão durante todo o filme, esta é capaz de ser uma boa escolha.

Emanuel Candeias