Séries da TV

Vanda: Série da OPTO conta história real de assaltante portuguesa


vanda opto

O serviço de streaming da SIC, OPTO, prepara-se para lançar Vanda, uma nova aposta destinada a enriquecer a ficção televisiva nacional. A série mistura drama e ação, baseando-se na história real de Dulce Caroço, uma cabeleireira responsável por 12 assaltos a dependências bancárias.

A protagonista do formato composto por oito capítulos age sozinha, entrando disfarçada e armada com uma pistola de plástico. Embora tenha sido detida e condenada a uma pena de prisão efetiva de sete anos, os acontecimentos relatados valeram-lhe a alcunha de “Viúva Negra”.

No pequeno ecrã, os espectadores vão poder acompanhar a vida de Vanda Lopes (Gabriela Barros), uma mulher de 37 anos, mãe de dois filhos e com uma vida familiar aparentemente estável. Contudo, a realidade da proprietária de um cabeleireiro na Costa da Caparica muda radicalmente quando descobre que o seu marido Mário (João Baptista) a anda a trair. Atingida do ponto de vista emocional, a situação da personagem principal toma outra proporções assim que esta se apercebe que também foi roubada financeiramente. Desesperada e sem recursos monetários, um dia decide entrar numa sucursal de um banco apenas munida de uma arma de plástico.

Apesar de ser bem-sucedida no seu primeiro assalto, Vanda começa a ser investigada pela polícia e Elisa Gonçalves (Joana de Verona) – uma psicóloga forense – deteta algo diferente na forma de atuar da assaltante. Caracterizada por ser disruptiva, mascarando-se misteriosamente de preto, Vanda acaba por ser detida assim que comete um erro emocional. No fundo, o facto de ser mãe vai obrigá-la a fazer uma escolha fatal.

No passado dia 17 de setembro decorreu em Almada a apresentação desta nova série, que contou com a presença do elenco e do secretário de Estado do Cinema, Audiovisual e Media, Nuno Artur Silva. Para já, ainda não foi anunciada uma data de estreia para o projeto.

Os episódios realizados por Simão Cayatte (Filha da Lei) retratam 12 assaltos cheios de peripécias e de roubos criativos que prometem dar outras nuances à narrativa, sustentados pelo argumento da autora Patrícia Müller (A Generala).

[Texto adaptado do comunicado de imprensa da produtora independente SPi]

Sugerimos também