Classificação

7
Interpretação
8
Argumento
7.5
Realização
6
Banda Sonora

[Não contém spoilers]

Ghosts, a nova comédia da CBS, trata-se de uma adaptação de uma série britânica com o mesmo nome, mas, ainda assim, o episódio piloto traz algo de novo, ao fugir ao típico conceito do género, virado para as famílias, grupos de amigos ou locais de trabalho. É o primeiro – e grande – ponto positivo.

Como o título faz prever, os fantasmas são os personagens principais desta série. Uma data deles habita uma mansão de campo – a precisar de uma data de obras, mas com um magnífico potencial – para toda a eternidade, pois não passaram para o lado de lá quando morreram. São vários dos antigos residentes da casa, mas poderão ter, muito em breve, a companhia de um jovem casal – vivo, claro está – que herdou a casa.

A interação entre os fantasmas – parece-me um pouco desrespeitoso chamar-lhes assim, mas lá terá de ser – é bastante engraçada, pois são um grupo muito diversificado, de épocas diferentes, e aqueles que morreram mais recentemente têm que estar sempre a explicar aos outros o que é um filme e coisas assim, relacionadas com os nossos tempos. Há, inclusive, um tipo que parece saído de Vikings e que é bastante caricato, com a sua paixão por bacalhau e o seu nome alternativo para carro: landship. Talvez fosse mais giro se o grupo fosse mais pequeno, até porque alguns dos fantasmas ainda não acrescentaram nada à história, mas é bem possível que venham a ter mais tempo de antena em episódios futuros.

O jovem casal que herdou a casa – a última proprietária era uma familiar de Samantha – vai lá dar uma vista de olhos e o grupo de fantasmas até se mostra agradado, mas ao descobrir que a intenção pode ser construir um hotel – outro termo que o nosso amigo viking não conhece -, parte para a ‘sabotagem’. Um hotel seria o fim da paz e iria significar que aqueles fantasmas iam ter de andar sempre a desviar-se das pessoas e perder o seu espaço e paz de espírito. Então, dá-se um acidente…

É uma comédia diferente e é precisamente por isso que desperta um certo interesse. Há momentos divertidos e há também uma cena um bocadinho emotiva, o que deu um toquezinho especial ao episódio, portanto foi feito mais do que o mínimo que se exigia. Não é propriamente o meu tipo de série, mas parece-me uma alternativa bem melhor do que muitas comédias que andam por aí e que ao fim de cinco minutos já se revelam insuportáveis.

Vale a pena, pelo menos, experimentar!

Diana Sampaio