Classificação

6.5
Interpretação
6.5
Argumento
6.5
Realização
6.5
Banda sonora

[Não contém spoilers]

Estreia hoje, às 22h, na FOX Crime, The Boyfriend Experience, o 1.º episódio da série policial australiana My Life is Murder. Este segue a história de Alexa Crowe (Lucy Lawless), uma ex-detetive da brigada policial, que após um pedido do seu amigo e antigo parceiro, Kieran Husseyé (Bernard Curry), decide investigar a morte de uma jovem que caiu de uma varanda.

Com muita pena minha, este 1.º episódio de My Life is Murder não me convenceu lá muito. Para além de seguir taxativamente o mesmo estilo de muitas das séries que já estamos mais que habituados a ver, sem se diferenciar e/ou inovar nem um pouco, as motivações deste primeiro caso pareceram-me demasiado fracas (e pouco ou nada justificadas), e a pessoa responsável pelo assassinato demasiado óbvia. É certo que para quem está habituado a ver este tipo de séries, como é o meu caso, começa a ser difícil ser surpreendido, mas mesmo assim confesso que estava à espera de um pouco mais.

Tendo em atenção que já existem imensas séries deste género, convém que quando se pense em criar mais uma, se tente inovar ou diferenciar das restantes. Se não, é só mais uma no meio de tantas outras que já existem. E se aliado a essa falta de inovação/diferenciação ainda nos apresentam um argumento demasiado básico e até com algumas injustificações, é meio caminho andado para uma pessoa nem pensar duas vezes antes de ficar somente pelo 1º episódio.

Ainda assim, uma vez que se trata do episódio piloto, e este muitas vezes não consegue demonstrar a qualidade geral da série, e uma vez que já existe uma 2.ª temporada, vou dar o benefício da dúvida e ver pelo menos mais um ou dois episódios. Apesar de não ter ficado muito convencida com o argumento o episódio até se vê bastante bem. Para além disso a personagem da Madison (Ebony Vagulans) pareceu-me promissora e fiquei curiosa para ver/saber um pouco mais sobre ela. Quanto à Alexa, ainda não sei muito bem o que pensar/sentir. Algumas decisões dela fizeram-me franzir o sobrolho, mas uma vez que se trata de uma série, muitas vezes temos que deixar a lógica e algumas tecnicalidades de lado.

Vamos ver se isto se mantém nos episódios seguintes, ou se, esperançosamente, a minha opinião se altera.

Cármen Silva