Classificação

7
Interpretação
8
Argumento
7
Realização

[Pode conter ligeiros spoilers]

Após ter estreado em 2017, Frie, o primeiro episódio da série belga, Os Doze Jurados, estreou na RTP2, no passado dia 28, sendo que este pode ser agora visto (ou revisto) na RTP Play. Esta série, composta por dez episódios, vai acompanhar o processo de julgamento de Frie Palmers (Maaike Cafmeyer), que é acusada do assassinato da sua filha Roos (Estelle Sys), mas também se desconfia que tenha sido ela, no ano de 2000, a assassinar a sua melhor amiga. Para além de acompanharmos o desenrolar deste julgamento, e o que levou a este, vamos também conhecendo o ponto de vista, quanto ao que poderá vir a ser o veredito, de alguns dos 12 membros que constituem o júri, e ainda nos é dado algum contexto quanto à vida destes.

Ainda que um ou outro ponto da história apresentada neste primeiro episódio possa gerar alguma confusão, dado que ainda não estamos muito bem familiarizados com os personagens nem com as suas ligações, no geral eu achei Frie um excelente episódio piloto. Este não perde tempo a enrolar-nos (e olhem que são quase 50 minutos de episódio!), o que muitas vezes acontece em séries deste género, e isto faz-me pensar: o que é que será que os restantes nove episódios ainda têm guardado para nós? É que parece que já nos é dado acesso a tanta informação que eu não sei mesmo qual será o rumo que a história vai seguir.

E isso também me leva a crer que, especialmente quanto ao julgamento, nem tudo é o que parece. Dá-me a sensação que vamos passar maior parte do tempo a questionar-nos sobre o facto de Frie ser ou não culpada, ainda para mais, porque parece-me que eles tanto nos vão levar a crer que ela é inocente, como nos vão levar a crer que é culpada. Isto é ainda mais engraçado de se observar, se nos colocarmos no lugar dos jurados.

É obvio que o objetivo é mesmo esse, fazer-nos questionar. Mas em muitas séries parece que desde o início já sabemos se a pessoa é culpada ou não, mesmo que nos façam crer o contrário, mas aqui a dúvida fica muito bem instalada. Isto é, apesar de ela estar a ser julgada, através do que nos foi aqui apresentado fazem-nos crer que ela não é culpada. Mas se querem que vos diga, eu acho que foi ela. Não me perguntem porquê, mas sinto que há algo nela que não me inspira muita confiança. Mas todos são inocentes até que se prove o contrário, não é verdade?

E se uma série, só com o seu primeiro episódio, já nos leva a ponderar tanta coisa, é porque realmente está muito bem conseguida. Por acaso já estava à espera de gostar de Os Doze Jurados uma vez que é mesmo o tipo de série que me cativa e me desperta o interesse, ainda mais quando mexe com as perceções que temos – isto é, que nos leve a crer uma coisa, mas na realidade é outra, e dessa forma acabamos por ser surpreendidos (pelo menos é isso que eu acho que vai acontecer) – mas mesmo assim ainda conseguiu superar as minhas expectativas. O facto de também se focarem na perceção e na vida dos membros do júri torna tudo ainda mais interessante. Eu fiquei bastante curiosa para saber ainda mais sobre cada um deles.

Posto isto só me resta dizer que assim que tiver oportunidade vou ver os restantes episódios, e que se ainda não estiverem muito convencidos em ver, deem uma oportunidade, pois acredito que vai valer a pena.

Cármen Silva