Classificação

7.8
Interpretação
6.5
Argumento
6.5
Realização
6.5
Banda Sonora

[Não contém spoilers]

Estreou finalmente o reboot da clássica série protagonizada por Chuck Norris, Walker, Texas Ranger, que esteve no ar entre 1993 a 2001 e que se apresenta como Walker e com este episódio piloto. Agora, quase vinte anos depois do fim, Jared Padelecki, o inesquecível Sam Winchester de Supernatural, veste o papel de Walker numa nova visão da história do famoso ranger do Texas.

Começo por dizer que um dos motivos para querer muito ver esta série é mesmo pelo ator. Sou um fã de Jared! Cresci com ele e é um dos meus heróis pessoais. Por isso, confesso que tive muito medo de começar a ver a série e, em vez de Walker, apenas conseguir ver Sam Winchester. Para além de tudo, foram quinze anos a viver sempre o mesmo personagem e não seria fácil para o ator despir algo que já se confundia com a própria pele. Ainda assim, tenho de dizer que talvez tenha sido o que mais gostei no episódio. Ao fim de 15 minutos esqueci completamente que aquele era o Sam de Supernatural e fiquei convencido de que estava a ver uma nova pessoa, uma nova personalidade, que é Walker.

O episódio é bem simples e tudo acontece num ritmo lento, o que, por um lado, me deixa chateado porque às vezes parece que temos tempo de ir buscar um café e voltar sem nada acontecer, mas também acaba por ser bom para conhecermos os personagens mais a fundo. Ainda assim, o episódio funciona bem. É um bom primeiro episódio! Talvez esperasse mais cenas de ação já. Do que me lembro do original, as cenas de tiros e perseguições eram bem divertidas e cheias de ritmo, mas, claro, este foi só o primeiro episódio e espero que os próximos venham a trazer mais ação e ritmo. Já deu para perceber que em cada episódio, para além das cenas mais dramáticas da história de cada personagem, vamos ter um caso que Walker e a sua parceira Micki vão resolver. A nível de imagem a série também convence e para mim, que sou fã do Texas, acho que a série passou muito bem a sensação de que estamos lá.

Esta série tem ainda a curiosidade de ser uma grande reunião de família de atores de outras séries. Vejam bem, para além de Jared, que é o protagonista, temos ainda Genevieve Padelecki, esposa dele, que interpreta também o papel da esposa de Walker que morre logo no início, despoletando assim o desenrolar da história. Para além dela temos Lindsey Morgan, que conhecemos bem do papel de Raven em The 100. Temos o ator Keegan Allen de Pretty Little Liars e ainda Mitch Pileggi, que em Supernatural fazia de avô de Sam e Dean e aqui faz de pai de Walker. É muito engraçado ver estas caras conhecidas em novos papéis.

Para terminar, Walker deixou-me interessado em ver o que pode sair dali. Não foi um episódio que me deixou de boca aberta, mas tem bases nos sítios certos e a capacidade de sustentar uma 1.ª temporada que espero seja sempre em crescendo. Vou estar atento e recomendo que também dês uma espreitadela a esta nova série.

Carlos Real