Classificação

8
Interpretação
9
Argumento
8.5
Realização
8
Banda Sonora

[Poderá conter ligeiros spoilers]

I May Destroy You é a mais recente série dramática disponível na HBO Portugal, a qual aborda a questão do consentimento sexual através da personagem de Arabella (Michaela Coel), uma escritora que verá a sua vida mudar após ser vitima de agressão sexual.

Depois de ver o primeiro episódio, considero que o título dado à série poderá não só corresponder à situação traumática pela qual Arabella passa, e que irá afetar irrevogavelmente a vida dela e destruí-la psicologicamente, mas também quer-me parecer a mim que a série, dado o tema que aborda e a forma como o faz (não só narrativamente, mas cinematograficamente também), nos irá destruir de certa forma também.

Apesar de saber do que é que a série iria tratar antes de começar a ver o episódio, tenho que confessar que fiquei angustiada desde o momento em que Arabella entrou na discoteca até ao final do episódio, pois já sabia o que lhe ia acontecer. Acredito que esse sentimento se irá manter ao longo dos restantes episódios conforme a personagem vai relembrando, entendendo e lidando com aquilo que lhe aconteceu.

Consentimento é uma questão muito importante, à qual não podemos nem devemos ficar indiferentes, e vê-la ser abordada em séries é algo que acho necessário, pois poderá chamar ainda mais a atenção para a questão e trazer consciência às pessoas. Temáticas como esta precisam de ser abordadas pois, infelizmente, agressões sexuais são uma realidade e a linha entre o que é considerado consentimento ou não é muito ténue. Ainda para mais quando a pessoa não está consciente do que se está a passar, devido ao consumo de álcool ou drogas, por exemplo. Quantas e quantas notícias já não chegaram até nós sobre pessoas que foram agredidas sexualmente e vemos muita gente a justificar o que aconteceu recorrendo ao facto de que a pessoa se encontrava bêbada e/ou drogada, pelo “que se pôs a jeito”. Independentemente de como a pessoa está, nada justifica este tipo de ato.

Assim, espero que a série consiga abordar bem esta problemática, porque tem tudo para o conseguir fazer, não só dado as boas bases narrativas que já conseguiu ligeiramente delinear e que nos conseguem despertar o interesse, mas também os pontos que esta escolheu para abordar a temática do consentimento.

Posto isto, estou com grandes expectativas para os restantes onze episódios, sendo que assim que estes saiam os vou ver com toda a certeza. Resta-me dizer que, apesar da angústia que senti ao ver o episódio, este soube-me a pouco (também a duração é de aproximadamente 30 minutos) e que estou ansiosa para saber como é que a história se vai desenrolar e como é que o assunto vai ser abordado a partir daqui (mesmo sabendo que não será algo fácil de visualizar).

E vocês, já viram? Ou ficaram com interesse em ver?

Cármen Silva