Classificação

3.5
Interpretação
5
Argumento
5
Realização
5
Banda Sonora

[Pode conter spoilers]

Daniel Garcia (Victor Rasuk), um jovem pasteleiro que acabou de ficar solteiro da maneira mais pública e embaraçosa possível, conhece uma impulsiva e misteriosa celebridade. Apesar do que pudesse ser de esperar da famosa modelo e influencer, Noa Hamilton (Nathalie Kelley) é simpática e genuína e parece interessada em Daniel.

Não vale a pena estar com rodeios, The Baker and the Beauty é uma série simplista e pouco mais que decente. É incrivelmente previsível e os atores, assim como o enredo, podiam ser muito melhores. No entanto, tem o charme e a despretensiosidade de uma daquelas séries que são tão más que dão a volta.

Permitam-me esclarecer. Para quem viu Jane the Virgin não será difícil reconhecer a sensação de ver algo que é ridículo e brilhante em proporções de igual medida. Por muito que me custe esta comparação, tanto por medo de minimizar Jane the Virgin, como por receio de vos criar expectativas no que toca à presente série, este é o estado de espírito necessário para aproveitar The Baker and the Beauty. Se a premissa é ridícula? É. Se a performance deixa algo a desejar? Deixa (se bem que, em defesa dos atores, dificilmente se consegue melhor com um enredo tão básico). Mas o que esta série consegue fazer é entregar-nos tudo isto de uma forma tão descontraída e tão assumidamente disparatada que, para quem estiver na disposição, consegue ser divertida.

Agora, não vos vou tentar convencer de que esta é uma “boa” série. Não no mesmo sentido de Jane the Virgin. No entanto, em termos do nível de entretenimento que poderá proporcionar, pode ser comparável. A diferença chave é, de facto, a qualidade. Quer dizer, a coisa mais surpreendente deste piloto foi o facto de não haver algures um número musical aleatório, só porque sim (ainda não estou inteiramente convencida de que isto não venha a acontecer). A conclusão, portanto, é simples: não recomendo, não aconselho, nem acho que valha a pena. Mas também não vos posso dizer que seja completamente de deitar fora. É uma daquelas séries que se não fizer o click é de facto péssima, mas que no mood certo até pode ser excelente.

Para quem quiser dar uma olhadela, façam-no por vossa conta e risco. Foram avisados. Lavo daqui as minhas mãos e não me responsabilizo pela vossa possível perda de tempo. No entanto, devo confessar que para a semana estou de volta.

Raquel David