The Lizzie Borden Chronicles – 01×01 – Acts of Borden
| 07 Mar, 2020

Esta série, que estreou no dia 1 de março na NOS Play, é um relato meramente ficcional mas baseado em factos reais e que gira em torno de Lizzie Borden e da sua controversa absolvição de duplo assassinato (pai e madrasta) em 1892. Se não estiverem familiarizados com a história da absolvição podem ver o filme Lizzie Borden Took an Ax, que é uma prequela direta desta minissérie (mais baseado na realidade, para quem estiver interessado).

Para mim, só por se passar nesta altura e ser baseado em factos reais já é interessante o suficiente para dar uma espreitadela, isto porque uma série que ao mesmo tempo nos entretém e nos deixa um pouco mais cultos e conhecedores dos costumes antigos nunca pode ter só coisas más! Mais que não sejam ficamos a saber um pouco mais de como as coisas eram (isto se os episódios estiverem bem feitos claro).

Bem… mas o que posso eu dizer do primeiro episódio? Para mim foram uns bons e sólidos 40 minutos de diversão perversa, com uma pequena crítica do que era a vida da mulher naquela altura (século XIX). Por exemplo, Lizzie e Emma (a sua irmã) crescem numa época em que as mulheres devem casar-se e constituir família mas, no entanto, nenhuma delas tem essa vida. Com bons ambientes, trajes bonitos e boa música deram a sensação que irá ser uma série com bons cenários e com um toque de rock’n’roll.

Penso que os produtores conseguiram pegar bem num material um tanto ou quanto sério e ainda mais histórico e foram capazes de andar entre a linha de levar o material histórico a sério e a linha de nos fazer divertir com o mito Lizzie Borden. Será que foi mesmo ela que cometeu os assassinatos? Tudo dá a entender que sim (talvez até demais)! Mas ao mesmo tempo fica sempre uma ténue dúvida no ar…

No entanto, sinto que o episódio ainda teria corrido melhor se Christina Ricci (Lizzie) tivesse mostrado mais emoção nos seus olhos. Além disto pareceu-me também que a série quis mostrar demais que Lizzie era um perigo e ninguém estava a salvo com ela, acabando por exagerar nas expressões e situações em que ela apareceu envolvida. Basicamente, para mim, a personagem não encaixou bem no seu todo. Claro que nem tudo é mau e confesso que gostei de ver a relação entre ela e a sua irmã (Clea Duvall) que parecem ser muito unidas (equipa formidável) mas ao mesmo tempo muito diferentes em que dá a ideia que a qualquer momento tudo pode virar para o lado errado. Dito isto, estou à espera de ver ao longo destes oito episódios, de 40 minutos cada, fogos de artifício genuínos e dramáticos com alguns arrepios e volte-face pelo meio.

Concluindo, não é certamente uma série para ficar no top 10 das melhores séries que vi até hoje, mas se tiveres interesse neste caso e gostares do ambiente desta época não perdes nada em despender um pouco do teu tempo para ir vendo os episódios. Nem que seja um por semana!

Filipe Tavares

Publicidade

Populares

heartstopper

westworld poster

Recomendamos