Classificação

8
Interpretação
9
Argumento
7
Realização
6
Banda Sonora

[Contém spoilers]

“With artificial intelligence we are summoning the demon.” – Elon Musk.

É com esta frase marcante que a nova série da Fox, neXt, introduz o seu primeiro episódio – FILE #1. Este thriller explora as consequências de um programa de inteligência artificial que se torna demasiado inteligente e começa a cometer crimes contra humanos para garantir a sua sobrevivência e proteger os seus segredos.

As personagens principais são o bilionário de tecnologia Paul Leblanc (John Slattery) e Shea Salazar (Fernanda Andrade), uma agente do FBI especializada em ataques cibernéticos. Paul e o seu irmão, agora presidente da empresa de tecnologia, tinham combinado encerrar um programa de inteligência artificial por medo das consequências futuras. Quando estranhos homicídios derivados de problemas tecnológicos começam a surgir, Paul descobre que o irmão deu seguimento ao programa, agora intitulado “neXt”, e recruta a Agente Especial Salazar para o ajudar a provar a culpa do programa de IA.

A temática da série segue um pouco a linha de séries como Black Mirror, Person of Interest e Westworld, destacando as consequências negativas e extremas que podem surgir devido ao progressivo aumento de uso das tecnologias e da inteligência artificial. Apresenta uma atmosfera que, apesar de não ser o mundo real, também não é futurista. É aquele tipo de série que traumatiza os seus espectadores, que acabam o episódio a pensar: “isto pode mesmo vir a acontecer”.

O episódio, intitulado FILE #1, teve um ritmo intenso, criando constantemente expectativas acerca das verdadeiras motivações para a inteligência artificial estar contra os humanos e criando dúvidas na equipa do FBI acerca da teoria de Paul, que acusa a tecnologia de ser a culpada pelos homicídios. Este thriller, além de se apoiar no estilo “corrida gato-rato”, para ver se o FBI consegue parar a tecnologia a tempo, consegue ainda interligar outras temáticas. O Paul está a lidar com um problema de saúde grave e suspeito, que certamente irá criar mistério e drama ao longo da temporada. Na equipa do FBI também vão certamente existir conflitos, já que algumas das pessoas contratadas para a equipa de investigação faziam parte de um grupo neonazi.

De forma geral, os atores representam bem os seus papéis, mas nota-se a experiência de John Slattery, que consegue representar o excêntrico e obsessivo bilionário de forma brilhante. Já a realização peca um pouco, principalmente quando comparada com séries do género da Netflix ou da HBO, não dando destaque nenhum à imagem e filmando as cenas de uma maneira um pouco simplista. Mesmo assim, o guião foi capaz de manter-me interessada durante todo o episódio e estou curiosa para ver mais.

Deixo-vos com esta recomendação, que promete proporcionar umas boas horas de entretenimento, ação e intriga. E, provavelmente, fazer-vos olhar de lado para os vossos aparelhos eletrónicos – nunca vou ter uma Amazon Alexa agora!

A série estreia brevemente na FOX Portugal.

Ana Oliveira