Classificação

8
Interpretação
6
Argumento
7.5
Realização
7
Banda Sonora

[Não contém spoilers]

Depois de mais de quatro anos a ser desenvolvida (com muitos percalços pelo caminho), finalmente a série Snowpiercer estreou. Mas será que vale a pena?

Antes de dar a minha resposta a esta pergunta vou dar-vos a conhecer um pouco mais sobre Snowpiercer. Snowpiercer é um comboio especial, com o tamanho aproximado de 1001 carros, construído pelo benevolente e misterioso Sr. Wilford para circunavegar a Terra congelada até ao seu degelo hipotético. Este revolucionário comboio tem o seu próprio ecossistema equilibrado e é capaz de permanecer completamente auto-sustentável durante toda a viagem (pelo menos é o que nos é inicialmente dito). Interessante, certo?

O primeiro episódio começa então por nos contar uma breve história (em estilo comics) sobre o porquê da Terra ter ficado congelada e o porquê da construção deste famoso comboio que foi criado com o intuito de salvar pessoas (espécie arca de Noé), mas apenas as mais ricas claro (como não podia deixar de ser). No entanto, cidadãos da “classe baixa” fazem os impossíveis para entrar neste comboio antes deste partir… Passam-se assim seis anos.

Partindo desta premissa era de esperar que este episódio evidenciasse as disparidades entre as várias classes que coabitam este enorme meio de transporte e assim o faz, e de maneira clara. Até a nível visual (o que é engraçado). A Cauda é escura, estreita, lotada e suja, enquanto as carruagens de primeira classe brilham em tons brilhantes, são filmadas em cenas mais amplas que capturam um espaço maior e mais limpo destinado apenas aos ricos. Não dá para ver isto e não querer que aqueles (chamem-lhes o que quiserem) de primeira classe se engasguem com a saliva.

Para além disto, existe um visual poderoso e bem polido em que atores como Daveed Diggs e Jennifer Connelly e os variados debates internos que vão ocorrendo ajudam-nos a entender os personagens o suficiente para nos apetecer ver as suas histórias até o fim.

Respondendo então à questão inicial, a meu ver Snowpiercer, por um lado, tem potencial para se tornar algo fora do habitual se explorar todo este mundo apocalíptico. Para além de ser interessante, e até comovente (considerando os bloqueios atuais em todo o mundo), assistir a esta série no meio desta enorme pandemia, existindo paralelos óbvios, tal como o facto de os passageiros do comboio não poderem sair, Snowpiercer traz também visuais engraçados e partes com bastante ação. Por outro lado, existem muitos momentos pouco credíveis e a introdução de um assassinato neste piloto, em que grande parte do episódio foi sobre a investigação deste crime, pode levar a que esta série se torne em mais uma daquelas típicas séries com um grande orçamento mas que o utilizam apenas para resolver assassinatos “cliché”.

Em Portugal, a série vai ter episódios semanais na Netflix, a partir do dia 25 de maio.

Filipe Tavares