Classificação

9
Interpretação
8
Argumento
8
Realização
7
Banda Sonora

[Pode conter spoilers]

For All Mankind, uma das apostas da Apple TV+, estreou no passado dia 1 de novembro e é uma série dramática que analisa a corrida espacial da década de 1960 através das lentes de uma história alternativa em que os russos foram capazes de alcançar a Lua antes do programa espacial dos Estados Unidos da América. Como se pode ver, é um tema interessante mas será que se tornará um sucesso?

Bem… For All Mankind parece cara. Foi co-criada por Ronald D. Moore (que fez coisas incríveis em Battlestar Galactica) e tem um elenco impressionante: Joel Kinnaman (The Killing), Michael Dorman (Daybreakers), Wrenn Schmidt (Reservation), Sarah Jones (The Path), etc. Essas são as primeiras e mais óbvias coisas que os espectadores verão nesta série, o novo drama da Apple TV+.

Para além disto, é uma série fortemente dramática sobre astronautas, engenheiros e as suas famílias à medida que os EUA expandem as suas vistas e conhecimento sobre as estrelas, isto porque a corrida espacial global nunca chegou ao fim. É um drama sobre  esperança, na sua essência, e sobre como os eventos podem mudar o mundo inteiro e os seus povos.

Não demora muito para ver que For All Mankind é bem feita. Os níveis de produção são de primeira linha, o que já era esperado visto que tem sido assim em todas as novas apostas lançadas pela Apple.

Neste piloto existem muitos diálogos sentidos e fortes performances em todos os aspectos. Kinnaman, por exemplo, destaca-se como Baldwin, um homem que estava tão perto de pousar na lua a bordo da cápsula Apollo 10, mas tal acabou por não ser possível. Kinnaman torna absolutamente credível que ele teve algo importante, algo vital, tirado dele.

O mesmo pode ser dito para Dorman, Schmidt e todos os outros. Realmente, todos fizeram um bom trabalho e foram bastante credíveis (a meu ver) nas suas atuações e, felizmente, o script também os ajudou nesse sentido. Há emoção suficiente aqui para fazer tudo valer a pena assistir.

Este piloto foi suficiente para me deixar a pensar no que vai acontecer a seguir e para me deixar a pensar que realmente tudo poderia ter sido diferente se os EUA não tivessem ganho a corrida espacial. Só espero que os episódios que se seguem se desenvolvam a um ritmo mais rápido. Respondendo à questão inicial, tal como disse, é uma série com um tema forte e delicado e, se for bem aproveitada como foi neste episódio, pode vir a ser um sucesso!

Filipe Tavares