Classificação

7.5
Interpretação
6.5
Argumento
7
Realização
7
Banda Sonora

[Contém spoilers]

Legacies regressou na semana passada com um novo episódio intitulado One Day You Will Understand. Neste capítulo, Alaric conta com a perspetiva de Kaleb e Josie para tomar uma decisão difícil relativamente a um dos seus alunos. Entretanto, Cleo abre uma porta para o seu passado, enquanto Hope e Landon sentem dificuldades em navegar numa outra dinâmica.

Por muito que me custe a admitir, eis que Legacies se mostra capaz de criar um bom episódio, no meio de uma temporada que deixa imenso a desejar. Com isto não quero dizer que One Day You Will Understand é isento dos seus vários problemas – chegaremos a esse ponto, eventualmente –, mas, em termos gerais, trata-se de um capítulo perfeitamente razoável, pouco disperso, que serve em grande parte para dar a conhecer à audiência a história e motivações de uma das personagens de destaque desta 3.ª temporada.

Esta viagem ao passado de Cleo leva-nos, assim, ao ano de 1464, a um local atualmente conhecido como Nigéria. Aqui, somos apresentados a uma versão mais jovem da personagem, que se sacrifica a Malivore de modo a proteger a sua família e a sua vila. Através dos olhos de Kaleb e Josie, encarregues de apurar a verdade sobre Cleo e deliberar sobre o seu futuro dentro (ou fora) da Salvatore School, descobrimos que a personagem não é a vilã desta história, tendo passado grande parte da sua própria existência em busca de novas formas de destruir Malivore.

À semelhança da audiência (e, parece, de Alaric), Cleo sabe que o fim de Malivore implica uma coisa apenas: a ativação do lado de vampiro de Hope. Esta é a razão que levou a personagem a atacar a nossa protagonista em I Was Made To Love You, num ato desesperado que procurava nada mais, nada menos, do que apressar o inevitável. Cada vez mais se torna claro para todos os envolvidos que Hope irá ter de realizar este sacrifício de modo a eliminar de vez a ameaça que tem vindo a assombrar Mystic Falls desde a 1.ª temporada da série. Porém, aquela que parece ser uma decisão relativamente fácil surge como um pedido inconcebível para Alaric, e por uma boa razão (ou talvez não). A transição de Hope de criatura híbrida a tríbrida poderá implicar a impossibilidade de vir a formar uma família sua no futuro, algo que Alaric se recusa a negar a uma personagem que já perdeu tanto na sua curta vida.

Ora, é aqui que me deparo com um dos problemas que tive com este novo episódio. Não se trata de um erro fatal, é um facto, mas, ainda assim, foi o suficiente para quebrar a minha suspensão de descrença, mostrando que Legacies nem sempre se mantém fiel ao lore do universo de que faz parte. Se perdermos um pouco de tempo a pensar no assunto (certamente mais tempo do que os escritores da série dedicam aos seus argumentos), veremos que não existe qualquer tipo de lógica por detrás da crença de Alaric. Hope aparece como uma exceção à própria regra que aqui tenta aplicar, sendo filha de um híbrido de vampiro e lobisomem.

De volta a Cleo, descobrimos ainda que a personagem é responsável pela criação de alguns dos monstros com que nos temos vindo a deparar, tendo desenvolvido esta habilidade durante o tempo em que foi feita cativa por Malivore. Nesta sua prisão, a jovem musa esculpia amigos imaginários a partir da lama do seu captor. No fundo, as pequenas criaturas ganhavam vida apenas para serem consumidas de imediato pelo monstro, cuja fome permanece insaciável. Sabendo que a destruição levada a cabo por Malivore nunca teria um desfecho, Cleo consegue enganar o vilão, aprisionando-o num recipiente que só ela é capaz de controlar e escapando, assim, das suas garras.

Resta responder a uma questão: qual a razão por detrás da criação do golem que se fez passar por Landon? A resposta é muito mais simples do que aquilo que inicialmente pensava. Afinal de contas, Cleo perdeu tanto tempo da sua vida a tentar aprisionar Malivore, que não poderia arriscar que Hope libertasse o monstro ao entrar no seu mundo prisão em busca de Landon. Assim, a musa criou esta versão do namorado da nossa protagonista, idealizada através das memórias e relatos de Hope sobre este personagem – explicando o seu comportamento estranho ao longo dos últimos episódios – de modo a mantê-la entretida, evitando que abrisse de novo a caixa de pandora que é Malivore.

De um modo geral, este episódio surge como uma boa oportunidade para desenvolver a personagem que é Cleo, explicando as razões por detrás das suas ações em I Was Made To Love You. Acredito que Legacies fez um trabalho bastante razoável neste departamento, apaziguando o meu medo inicial de ver uma personagem de quem tenho vindo a gostar ser revelada como vilã. Agrada-me, ainda, que Kaleb e Josie tenham desempenhado um papel crucial sobre o seu futuro, colocando um fim à tendência hipócrita de Alaric enviar aqueles que considera problemáticos para um mundo prisão. Ao invés disso, o futuro de Cleo mantém-se agora em aberto, pelo que espero que esta não seja a última vez que encontramos a personagem.

Se, por um lado, a história de Cleo foi um deleite, por outro, a narrativa de Hope e Landon desenrolou-se de forma semelhante a um acidente de viação em câmara lenta. Não que me esteja a queixar; aliás, sabem que há muito que aguardo o final desta relação, e o regresso de Landon surge como a desculpa perfeita para o acontecimento. Depois de tudo o que Landon viveu durante o seu tempo em exílio – inclusive episódios que o forçaram a adotar uma posição de auto-preservação –, é compreensível que tanto este como Hope tenham dificuldades em se adaptar a uma nova dinâmica. Em vários aspetos, o Landon que regressa deste mundo prisão não é o mesmo que Hope deixou para trás.

Estaria a mentir se dissesse que não apreciei esta mudança entre as duas personagens. De facto, este novo episódio é facilmente o primeiro de muitos a fazer com que esteja minimamente investida na narrativa do casal… Isto é, antes de arruinar tudo à última hora, como já se tornou habitual em Legacies. Novamente, em vez de abordar as mil e uma razões (válidas) que poderiam levar ao fim da sua relação, a série escolhe atribuir as culpas ao destino. Afinal de contas, Landon é o filho de Malivore e Hope é a única coisa capaz de destruir o monstro, logo, estão fadados a destruírem-se um ao outro. Pessoalmente, ainda que não esteja propriamente surpreendida, sinto-me decepcionada por esta decisão, quase tão desprezível quanto o facto de ser Landon e não Hope a pôr termo à relação.

Ainda assim, tenho imenso interesse em ver o que o futuro reserva. Será agradável ver Hope retomar a sua amizade com Lizzie e Josie, sendo que os episódios que se avizinham parecem destacar o trio. Por outro lado, a aparente aliança formada entre Cleo e Landon no final deste episódio surge também como motivo de curiosidade, pelo que estou ansiosa por ver em que aventuras os personagens se encontrarão longe da Salvatore School. Dado o historial da série, não espero que se ausentem por muito tempo.

Resta-me apenas falar um pouco sobre algumas narrativas secundárias, como é o caso da relação entre Josie e Finch. Conforme mencionado no episódio anterior, Josie está de regresso à escola para jovens seres sobrenaturais, trazendo consigo o seu mais recente interesse amoroso. Dando seguimento ao que tem acontecido desde a sua aparição, Finch volta a mostrar não ter quaisquer características a seu favor, surgindo como uma personagem que se deixa levar pelas suas inseguranças ao ponto de se tornar algo rude. Sendo honesta, não consigo perceber o que Josie vê na lobisomem para além de uma nova pessoa que pode ajudar, e não percebo o porquê da série insistir em Finch de entre todos os interesses amorosos que Josie teve até à data.

Entretanto, cada vez se torna mais claro que os dias de Alaric enquanto headmaster estão contados, tendo o personagem compreendido que nem sempre colocou os interesses dos seus educandos em primeiro lugar (chocante, eu sei). Por fim, a ausência de MG foi sentida, pelo que me questiono se este irá regressar à escola e, sendo o caso, se a sua amizade com Kaleb poderá ser salva, especialmente após a partida de Cleo.

Conforme referi no início desta review, este episódio revelou-se um dos melhores da 3.ª temporada de Legacies. Apesar de existirem alguns pontos de contenção entre aquilo que gostava de ver na série e o que esta me proporciona, não estaria a ser honesta se dissesse que One Day You Will Understand não é um episódio cativante. Ainda que continue sem perceber exatamente qual o destino a que esta temporada pretende chegar, consigo ver uma ténue luz ao fundo do túnel. Por outras palavras, vários elementos estão a alinhar-se de modo a preparar um 4.º installment que, talvez, se demonstre capaz de me causar espanto. Até lá, mantenho o meu otimismo cauteloso, com uma dose saudável de ceticismo à mistura.

One Day You Will Understand encontra-se já disponível para visualização na plataforma de streaming HBO Portugal, onde há um episódio novo de Legacies todas as sextas-feiras. A série entra agora numa breve pausa, com regresso marcado para dia 10 de junho.

Inês Salvado