Classificação

5.5
Interpretação
4.5
Argumento
7.5
Realização
7
Banda Sonora

Contém Spoilers!!

FBI é uma série de 13 episódios onde acompanhamos a agente Maggie Bell (Missy Peregrym) e o agente Omar Zidan (Zeeko Zaki) enquanto resolvem os casos que lhes vão aparecendo. O que não fica claro neste primeiro episódio é se haverá, como é costume neste tipo de séries, ou não, um caso especial que irá ser o fio condutor dos restantes episódios.

Este piloto começa por nos apresentar um rapaz e o seu irmão, que se tornam vítimas de uma explosão de um edifício, sendo que o irmão mais novo foi uma vítima mortal. Este começo demonstrou algum potencial ao conseguir criar uma ligação mais emotiva, mas não se prolongou pelo resto do episódio. Imediatamente após a explosão somos apresentados a Maggie, que impede a mãe dos rapazes de entrar no edifício, salvando-a de uma segunda explosão.

Ao falar com o senhorio descobrem que havia um traficante de alto gabarito que se alojava no edifício e andava sempre com homens armados para todo o lado, sendo assim o alvo mais provável. Ao analisar os restos do seu telefone descobrem que havia outro traficante, Wayne Clinton, que andava a trocar uma série de mensagens suspeitas com Felton (o traficante que morreu)  e que a morte dele poderia ser uma manobra de o ultrapassar. No entanto, quando chegam ao clube onde Wayne estava, deparam-se com uma nova explosão, o que muda a sua abordagem a este caso.

Quando não sabem que direção seguir encontram outra bomba que conseguem desarmar a tempo e apanham o rapaz que serviu de pombo correio para plantar a bomba. Tudo o que conseguem dele é o nome de quem o envolveu nisto, Bernardo Funes, que pertence à organização  que está por detrás das explosões MS-13. Analisando o MO da organização, Maggie e Omar começam a seguir um rapaz que parece pertencer a MS-13 e encontram o esconderijo de Bernardo, mas, como membro mais avançado na organização, Bernardo não diz absolutamente nada. Noutra abordagem conseguem ligar a construção das bombas a um outro caso antigo que quase foi ligado a um político, Robert Lawrence, mas também se mostra um beco sem saída.

Mais do que uma vez no episódio, quando a equipa não sabe por onde seguir aparece, uma pista cai quase do céu. Neste caso, um avanço na tecnologia permitiu construir uma imagem do criador das bombas através do genoma e é quase uma fotografia do diretor do centro que foi alvo da terceira bomba, a primeira que foi encontrada a tempo. Com a sua ajuda descobrem que existe mais uma bomba planeada e onde é suposto esta ser detonada, o que lhes permite chegar a tempo e desarmar a bomba, enquanto Maggie e Omar confrontam Robert, que pede para ligar para o seu advogado, quando na realidade estava a tentar detonar a bomba, apenas para encontrar uma agente do FBI do outro lado da linha, sendo apanhado em flagrante.

Não foi um piloto que me tivesse cativado muito, quando comparado com a recente estreia da Amazon, Jack Ryan. Esta acaba por ficar muito aquém, apesar de os atores desempenharem bem o seu papel e haver uma boa produção. A história parece meio incoerente por vezes e não sinto que esta série venha trazer nada de novo ao mundo dos policiais. Nem sequer fica bem percetível qual o rumo que a série vai seguir, mas para mim não vai ser nenhum porque vou ficar por aqui!

O que é que acharam? Vão continuar a ver?

Raul Araújo