Classificação

7.2
Interpretação
6.3
Argumento
7.5
Realização
7
Banda Sonora

[Contém spoilers]

“Krypton, your world is at an end!”

Krytpon continua a história que é mais do que a simples origem da linhagem El, mas as coisas parecem andar meio aos tropeções. Com um enredo mecânico, previsível e revelando diversas falhas, acontece que os trailers se revelam mais emocionantes do que o episódio em si.

Georgina Campbell sob a forma de Lyta continua a demonstrar ser um dos melhores elementos da série e sem dúvida a personagem mais interessante. O acompanhar da história da casa Zod tem-se revelado mais intrigante do que a casa El propriamente.

“- Lyta, tu mataste uma pessoa!
– Foi para ajudar os Rankless…
– Ah, então está tudo bem.”

Já Seg continua a ser a personagem menos impressionante que já se viu. E serei o único a achar que o penteado dele o faz parecer meio totó? Apesar disso, a sua dinâmica com Adam Strange e Kem e o tempo passado na Fortaleza com Val-El ajudam a envolver-nos na história e a criar simpatia por todas as personagens envolvidas.

Também a casa Vex, as intrigas e a política envolvente em Kandor, revela aspetos interessantes que, apesar de ainda só terem sido arranhados à superfície, espero que venham a ser bem explorados.

A procura pela Sentry enviada por Brainiac de forma a descobrir as fraquezas de Krypton foi um plot meio apressado, mas que se conjugou bem com a história da missão de Lyta e vem cada vez mais aproximar o perigo de Brainiac. Sempre que este vilão e a sua nave de tamanho planetar aparecem, os efeitos especiais são tão detalhados que nos deixam continuamente de boca aberta.

Os problemas sociais e as diferenças entre as casas e os rankless atingem um novo auge com a decisão de, tal e qual as limpezas das favelas, limpar os sectores supostamente à procura de terroristas pertencentes ao grupo Black Zero, que foi responsável pelo atentado à vida da Voice of Rao logo no episódio piloto. Porém, a dada altura, a população em revolta perdeu tanta credibilidade que não pareceu mais do que uma dúzia de figurantes a gritar coisas sem sentido.

Lâmina Daxamite? Então e a inexistência de vida fora de Krypton?? Já se percebeu que a religião de Rao é perita em ignorar factos e verdades, mas a série em si devia ter mais atenção à forma como transmite isso ao público, pois ficamos sem saber se é tudo propositado ou se não passam de gralhas persistentes.

Krypton parece sofrer de boas ideias, mas tem uma execução apenas mediana. Ficamos sempre à espera de mais do que depois nos é entregue. No entanto, a sua vertente de nos mostrar o planeta do futuro homem mais poderoso da Terra de uma forma crua e sem filtros continua a ser um atrativo, aliciante, e apenas precisa de ser explorado mais dignamente.

 “The Word of Rao” estreia na próxima semana e nós por aqui cruzamos os dedos para que o episódio consiga fazer justiça à promo. Parece que teremos algumas revelações quanto ao misterioso grupo terrorista/revolucionário Black Zero. Até lá, são “Us vs. Em”!

Emanuel Candeias