Ten Days In the Valley – 01×01 – Day 1: Fade In
| 02 Out, 2017

[Contém Spoilers!]

Ten Days In the Valley é uma das novas apostas da ABC para esta fall season e posso já confessar que me conquistou. Kyra Sedgwick foi uma escolha acertada para regressar como protagonista, depois de The Closer, no papel de Jane Sadler.

Jane é divorciada e tem uma filha, Lake (Abigail Pniowsky), de 8 anos de idade, e cuja custódia é partilhada com o ex-marido Pete (Kick Gurry), sóbrio há seis meses. Profissionalmente, Jane é a showrunner de uma série policial que lhe confere uma vida bastante atribulada. Cada episódio de Ten Days In the Valley corresponde a um dia, sendo que a história da temporada de dez episódios vai então decorrer no espaço de dez dias.

Neste primeiro dia, conhecemos Jane, numa tentativa falhada em meditar, pois não consegue ultrapassar as memórias da sua infância traumatizante. Pete chega para entregar Lake, mas tenta pedir mais um dia com a filha, que é negado por Jane. Apesar de tudo, nota-se que Jane tem uma forte relação com a filha e que gostam muito uma da outra. Lake confessa que quando está com o pai sente tantas saudades da mãe, que até chega a pensar em ir para o céu (esta é uma expressão problemática, certo?).

Após ter tomado um hipnótico para dormir, Jane recebe uma chamada do estúdio, a meio da noite, e tem que escrever um novo guião nessa mesma noite, o mais tardar até às 4:00 da madrugada. Jane deixa a filha a dormir e vai para o anexo da casa, o local onde trabalha, levando consigo o monitor para ouvir a filha. Acaba por ter de chamar PJ (Mark L. Young), um rapaz que chega com reforços, cocaína. Nota-se que a interação dos dois é rotineira e até vemos PJ a dar dicas para o novo guião.

Quando termina o trabalho, Jane vê a porta de casa fechada (quando a tinha deixado aberta) e, depois de partir o vidro para entrar, não encontra a filha. Aflita, telefona à irmã Ali (Erika Christensen) e assume logo que Pete veio buscar Lake, como já o tinha feito antes. Mesmo assim, Ali, que se mostra muito mais preocupada com o desaparecimento de Lake, convence-a a telefonar à polícia e fazer queixa de Pete. De manhã, quando chega o detetive John Bird (Adewale Akinnuoye-Agbaje) para investigar o caso, Jane oculta a visita de PJ e mente sobre as horas em que esteve a trabalhar. Para além disso, aparenta estar bastante calma, pois está crente que a filha se encontra com o ex-marido.

Para se distrair, Jane vai trabalhar para o estúdio, em vez de esperar em casa por uma confirmação de que a filha está bem. Aí ficámos a saber que, antes da série policial, Jane fez um documentário sobre corrupção no departamento da polícia de San Diego, que com certeza a deixou com vários inimigos. E conhecemos Gus, o informador secreto de Jane, que a confronta por ter medo que descubram quem ele é.

Finalmente chega a chamada do detetive a informar que Pete não tem Lake e ainda por cima tem um álibi nas horas em que Jane esteve a trabalhar. Jane só reage verdadeiramente quando um dos argumentistas, Matt (Malcolm-Jamal Warner), sugere o rapto de uma criança na série policial. A partir daqui vemos o desespero de uma mãe que acaba de perceber que a filha foi raptada, acabando numa acesa discussão verbal e física com Pete.

A ama Beatriz (Marisol Ramirez) entra no campo dos suspeitos quando telefona a um homem (talvez o seu companheiro) para que este procure a chave que lhe tinha pedido para deitar fora. Juntam-se a ela também Casey (Emily Kinney), a assistente de Jane, que está a ter um caso amoroso com Pete – os dois ilibam-se mutuamente, mas rapidamente descobrimos que ambos estão a mentir e apenas estiveram juntos até à uma da madrugada.

Jane acaba por confessar ao detetive que esteve a trabalhar durante 6 horas e não o que inicialmente tinha dito, mas mente novamente sobre conhecer PJ e até aponta a cocaína como sendo do ex-marido. O episódio acaba com Lake viva, na companhia de um homem incógnito a ler-lhe um livro para ela adormecer.

Penso que a série vai acabar por colocar todas as personagens como suspeitas e vai desvendando os segredos que escondem a pouco e pouco. Apesar de neste momento tudo apontar para Pete, não me parece que seja ele o culpado. No entanto, esta é daquelas séries que espero que tenha uma resolução nos dez episódios da primeira temporada e que caso venha a ter uma segunda, que seja uma nova história. E tu, vais acompanhar a nova série? Qual é o teu palpite para principal suspeito/a?

Ana Velosa

Publicidade

Populares

calendário estreias

his dark materials

Recomendamos