Designated Survivor – 01×21 – Brace for Impact (Season Finale)
| 21 Mai, 2017

Publicidade

[Contém Spoilers]

O que parecia ser mais um episódio explosivo, literalmente, de Designated Survivor acaba por não ser.

Hannah consegue retirar a bomba do edifício do FBI e leva a carrinha para um lago mesmo nos últimos segundos antes da detonação. A bomba acaba por explodir dentro de água sem causar quaisquer danos ou vítimas (boa imagem aquando da explosão). O FBI detém Hannah, acusando-a da tentativa de ataque, e por ter no seu apartamento plantas do edifício do FBI. Contudo, Tom manda libertar Hannah. Tentaram incriminá-la.

Tom ordena ainda a captura imediata de Lloyd, enquanto que, em simultâneo, o FBI encontra e captura células de seguidores.

Aaron é convocado por Tom, que lhe pede que ajude a encontrar o traidor dentro da Casa Branca, tendo em conta que ele conhece bem o que se passa lá dentro. Aaron recorre ao General Cochrane, que lhe fornece uma lista de possíveis traidores.

Lozano recebe uma mala e é comunicado a Lloyd e a Jay que o plano pode prosseguir. Nesse momento, o FBI e Hannah estão prestes a capturar Lloyd, mas este consegue fugir sem deixar rasto. Já Jay acede, no interior da Casa Branca, à rede interna do Pentágono para garantir o acesso de Lozano ao seu interior. Chuck, depois de ter rastreado a “impressão digital” deixada anteriormente, consegue perceber que alguém está a aceder à rede interna com esse mesmo código. Essa informação é comunicada a Mike e a Hannah, que segue diretamente para o Pentágono.

Lozano entra no Pentágono, consegue adulterar as câmaras de segurança e roubar dados. Ao sair do local cruza-se com Hannah, que o persegue a alta velocidade. Depois de o parar com recurso a um acidente de carro, Hannah e Lozano lutam (que resistência de Hannah! Só mesmo na ficção! A mulher levou porrada que se fartou!), acabando com a morte de Lozano.

Regressada à Casa Branca, Hannah verifica o seu e-mail e descobre que Atwood antes de ser morto lhe enviou fotos e um áudio do encontro entre Jay e Lloyd. Descobrem assim que Jay é o traidor dentro da Casa Branca, acabando este por ser detido.

Tom conta finalmente toda a verdade ao seu staff (Emily, Seth e Aaron, que é contratado de volta) e convoca uma reunião do Congresso, na qual comunica a toda a nação americana a verdade sobre o ataque ao Capitólio: não foi o grupo Al-Sakar o responsável pelo ataque, mas sim um grupo doméstico, liderado por Lloyd, que acreditava que sabia melhor como reconstruir o país e trazê-lo de volta aos dias de glória.

O país está do lado de Tom e tudo fica bem quando termina bem. Ou talvez não.

No final do episódio, Tom é convocado à sala de controlo de operações, onde lhe é comunicado que os ficheiros que Lozano transferiu no Pentágono foram todas as informações sobre as medidas de defesa do país (estruturas, exército, armamento nuclear, etc). Esses ficheiros estão agora na posse de Lloyd, que continua num local desconhecido e sobre o qual ninguém tem a mínima ideia.

Chegamos assim ao fim da primeira temporada de Designated Survivor. Uma temporada que começou muito bem, em grande rotação e explosiva, literalmente. A partir de certo ponto deixou de ter essa velocidade, passou a baixar o ritmo e a focar-se em duas histórias paralelas: a presidência de Tom e a investigação de Hannah. Devo dizer que a trama que envolvia Hannah e a investigação foi bem mais interessante. Alguns dos episódios focados nas decisões de Tom foram algo aborrecidos e talvez um pouco desnecessários para a história.

Em suma, foi uma boa temporada de estreia, mas que podia ter sido melhor. Demorou a dar-nos respostas sobre o que realmente aconteceu e quando as deu foi de uma forma algo repentina e atabalhoada. Acho que certas coisas deviam ter sido mais bem explicadas e depois acho estranho que, até metade da temporada, os grandes envolvidos na conspiração fossem MacLeish e a mulher, sem nunca sabermos dos restantes envolvidos, e a partir daí aparecem Lloyd e Jay, sem que haja uma explicação entre a ligação de ambos. Gostava também de saber um pouco mais sobre o que se passou antes do ataque, como se formou este grupo, as suas motivações, o planeamento, a escolha de Tom. Pontos que podiam ter sido introduzidos ao longo da temporada e que teriam melhorado a perceção dos interesses e das razões do ataque.

Até ao final do episódio não sabia bem o que esperar da próxima temporada, mas parece que vamos continuar a seguir Lloyd e que os ataques à América ainda não terminaram.

Valeu a pena, nem que seja apenas por poder rever Kiefer Sutherland e Maggie Q. Até à próxima temporada!

David Pereira

Publicidade

Populares

calendário estreias posters junho 2024

Clãs da Galiza Clanes Netflix

Recomendamos