Classificação

7
Interpretação
6.5
Argumento
7
Realização
8
Banda Sonora

CONTÉM SPOILERS!

Por fim chegou o finale da mini-revival de The X-Files, que conta não só com a dupla Mulder-Scully, como também com os detetives Einstein e Miller, o Smoking Man e Tad O’Malley do primeiro episódio.

O episódio tenciona ser uma épica conclusão à conspiração contra os habitantes do planeta Terra, usando tecnologia e ADN alienígena, e cabe aos detetives salvar a humanidade usando o seu conhecimento do paranormal. A ideia é ótima para um finale, mas será que a executaram bem o suficiente para satisfazer os fãs depois de uma temporada pouco consistente? A resposta curta e direta: Não, não executaram. Mas pessoalmente, ainda há esperança para remediar os erros cometidos nesta temporada!

Espelhando a primeira parte da saga My Struggle, o episódio começa com um monólogo de Scully no mesmo estilo que Mulder, mostrando fotos dela em temporadas anteriores e explicando as modificações genéticas que sofreu nas mãos dos extraterrestres. Esta informação seria útil mais tarde para explicar a imunidade de Scully em relação a uma epidemia global orquestrada pelo Smoking Man e Cia. Até aí, tudo bem. É a partir do misterioso desaparecimento de Fox Mulder que as falhas no guião começam a aparecer.

Sem muita explicação ou lógica, Scully descobre, com a ajuda de Einstein – com quem trabalha para encontrar uma cura para a epidemia durante o episódio inteiro – que o sistema imunitário da maioria da população mundial foi corrompido devido a um mecanismo biológico embutido em vacinas que faz com que o corpo de um indivíduo fique exposto a qualquer doença. As únicas pessoas imunes são as que foram modificadas geneticamente. Cabe então apenas a Scully salvar, não só o colega, que foi fazer uma visita ao Smoking Man, mas também o mundo inteiro, usando as suas próprias células estaminais.

Já estava à espera de um final em aberto em My Struggle, pois acho uma boa ideia deixar espaço para mais episódios, mas não fiquei satisfeita com o aparecimento da nave espacial. Achei um bocado absurdo e repentino, apesar de ser mais interessante que uma conclusão previsível, com Mulder e Scully a derrotarem o Smoking Man e a andarem felizes em direção ao pôr-do-sol.

Neste momento, The X-Files é a única série do género na TV: um drama policial de ficção científica que explora conspirações semelhantes às que ouvimos falar na vida real. Uma série assim merece ser executada por novos talentos, escritores e realizadores mais atuais e que não perderem a força (como é o caso de Chris Carter).

Vários fãs estiveram à espera de um reforço a um dos franchises mais estimados da TV, mas quando nos foi dada uma nova temporada com mais episódios dececionantes que bons (sendo o terceiro o meu favorito!). Mesmo assim, ver a dupla outra vez em ação valeu a pena e ainda quero ver mais episódios!

Cátia Neto