Continuamos a trazer curiosidades sobre as tuas séries favoritas e desta vez vamos dar a conhecer-te algumas sobre Vikings:

1. A série é inspirada nas sagas dos norsemen (também conhecidos como nórdicos ou escandinavos), os povos germânicos do norte da Idade Média. Estas lendas são, em parte, ficcionais, baseadas na tradição oral e passadas para escrito cerca de 200 ou 400 anos depois de os acontecimentos terem tido lugar, mas a inspiração para Vikings partiu também de fontes históricas que remontam àquele período. Ragnar Lothbrok, o personagem principal, é baseado no viking que consta de várias lendas da época, entre elas Saga of Ragnar Lodbrok e Tale of Ragnar’s Sons, mas pelo menos três dos seus filhos – Ivar, Björn e Sigurd – são conhecidos como figuras históricas. Apesar de não fazer parte das sagas nórdicas, a Lagertha em quem a personagem principal feminina se inspira é conhecida como uma shieldmaiden que foi a primeira de três esposas de Ragnar, das quais não pode ser esquecida Aslaug, figura também muito famosa da mitologia nórdica.

2. Embora usemos o termo vikings para designar estes homens, na época não era assim que eram conhecidos, mas sim como Northmen (que, à letra, significa homens do norte), pagãos, heathens (que significa alguém sem religião ou uma que não seja o cristianismo, o judaísmo ou o islão) ou, mais frequentemente, danes (originários da Dinamarca). No entanto, as designações que lhes eram dadas podiam variar de país para país. Os próprios escandinavos faziam distinções entre eles, consoante as regiões de onde eram oriundos.

3. Inicialmente, a série era para se chamar Raid (invasão, saque) em vez de Vikings, visto que também não era invulgar usar-se a designação raiders para os povos em questão.

4. O nome do personagem principal, Ragnar, significa algo como “guardião do forte”. Tanto Clive Standen como Gustaf Skarsgård fizeram audições para o papel e Travis Fimmel, o ator que lhe veio a dar vida, fez testes para o papel de Rollo e terá ainda mostrado interesse em desempenhar Floki.

5. Rollo foi originalmente escrito como sendo primo – e não irmão – de Ragnar. Rollo foi inspirado num verdadeiro viking de nome Hrólfr, que era por vezes referido como Duque da Normandia. Isto porque Hrólfr (do qual o nome Rollo é uma versão latina) conquistou partes de França. As tatuagens de lobos que Rollo possui representam uma cena da mitologia nórdica: os lobos Hatí e Sköll, filhos de Fenrir, também muito conhecido da cultura. Hatí persegue a lua e Sköll o sol.

6. O facto de vários dos personagens da série terem tatuagens não é por acaso. Há vários relatos que remontam àquela época histórica e que dão conta que os vikings eram, de facto, tatuados. O mesmo acontecia com os celtas e os eslavos, apoiando a ideia de que as tatuagens eram uma prática comum na Europa pagã.

7. Gustaf Skarsgård prestava assistência a alguns dos colegas de elenco para a pronúncia de certas palavras. Para os atores de língua inglesa havia algumas palavras especialmente difíceis. 

8. As mulheres que vemos nos créditos de abertura da série representam as nove filhas de Rán, que são uma personificação das ondas. A sequência do título deverá indicar a separação de um viking do mundo dos vivos, com ornamentos da sua vida (ouro e armas) a flutuarem à volta dele. É possível ver-se ainda Hel Lokisdottir, a deusa da morte.

9. Os corvos são animais importantes na série, visto que têm grande relevância para a antiga sociedade nórdica. São encarados como agentes do deus Ódin, de quem se diz que possui dois corvos, Hugin (=pensamento) e Munin (=memória), que voam a recolher informação para ele. Um dos nomes pelos quais Ódin é conhecido significa Deus dos Corvos. Acredita-se que quando os corvos aparecem, estão a ser observados por Ódin.

10. A cidade fictícia de Kattegat é um anacronismo e o nome refere-se a um estreito entre a Dinamarca e a Suécia. O termo kattegat (cat + hole) só surgiu no século XV, muito depois da época à qual a série corresponde.

11. Inglaterra é mencionada várias vezes ao longo da série, incluindo personagens saxões como Aella, Athelstan e Ecbert, mas a verdade é que o país ainda não existia. A área que agora corresponde a Inglaterra consistia em vários reinos saxões: Wessex (a sul), Anglia Oriental (a este), Mércia (Terras Médias), Nortúmbria (norte) e a Cornualha.

12. Skarsgård chamou a atenção de Michael Hirst, o criador da série, para incoerências num guião acerca da altura em que o Rei Horik enviou Ragnar para a Suécia para resolver uma disputa com o Jarl (título da nobreza) sueco Borg. A Suécia não existia naquela altura e Uppsala não fazia parte dela. A Suécia foi formada por uma junção de Götaland e Svealand, onde Uppsala se localiza. Não há certezas em relação à data exata em que a Suécia foi formada, mas o termo não era certamente usado na altura dos vikings.

13. O compositor Trevor Morris revelou que não estava verdadeiramente satisfeito com a banda sonora da série até ter descoberto o músico norueguês Einar Selvik e lhe ter deixado ao encargo arranjar letras nórdicas e instrumentos autênticos usados na época em que a narrativa decorre.

14. Alicia Agneson, que dá vida a Freydis, revelou que a cena de estrangulamento do episódio 20 da 5.ª temporada não foi uma simulação porque ela queria que fosse o mais realista possível. Foi desaconselhada pela equipa a fazê-lo devido aos riscos, mas a atriz terá insistido em fazer a cena e foi tratada por um paramédico no local de gravações depois das filmagens.

Conhecias alguma destas curiosidades de Vikings ou nem por isso?