Classificação

7.2
Interpretação
6.8
Argumento
6.9
Realização
8.5
Banda Sonora

Atenção: esta review contém spoilers!

Esta semana, regressamos a Mystic Falls para o jogo anual de futebol americano entre os Stallions da Salvatore School e os Timberwolves de Mystic Falls High! Este evento tende a trazer ao de cima o que de melhor e pior há nesta pequena cidade da Virgínia e este episódio não foi exceção à regra.

Após um começo um pouco fraco, You Remind Me of Someone I Used to Know começa a recuperar o ritmo da 1.ª temporada da série. Novamente, temos um monstro de Malivore a criar problemas enquanto os estudantes de ambas as escolas tentam viver o seu dia a dia. A relação de Landon e Josie é colocada à prova quando Hope, a jogar na equipa oposta, captura a atenção de Landon. Entretanto, Lizzie recruta a ajuda de MG para descobrir mais sobre Sebastian enquanto Alaric e Vardemus chocam um com o outro.

Antes de mais, devo dizer que o episódio do jogo de futebol da temporada anterior está entre o meu Top 5 de episódios da 1.ª temporada de Legacies. Adorei, na altura, que os alunos se rebelassem contra a política de Alaric que os forçava a perder sempre o jogo para manter as aparências e gostei ainda mais que decidissem tentar ganhar este mesmo jogo sem recorrer ao uso das suas habilidades sobrenaturais. Este novo episódio difere completamente do seu antecessor no sentido em que o novo diretor da escola encoraja os seus alunos a serem “melhores” que os humanos – porque, segundo ele, assim o são – e a usarem os seus poderes para vencer.

Esta persuasão por parte de Vardemus começa a introduzir uma ideia que, pessoalmente, acho interessante para esta série. Não sei se é algo intencional, mas o facto de, por um lado, estarmos a assistir a um distanciamento progressivo dos alunos sobrenaturais dos seus colegas humanos (graças ao seu novo diretor) e, por outro, estarmos também a assistir à aproximação de Hope a esta outra realidade tem muito que se lhe diga. Outrora distante, vemos a tríbrida a fazer um esforço em relacionar-se com os outros e em mostrar a sua vulnerabilidade com maior facilidade e, se é verdade que ainda não sei como me sinto em relação a esta temporada se aproximar mais de The Vampire Diaries do que a anterior, ao trazer mais humanos à mistura, também o é que adoro esta nova etapa da vida da nossa protagonista.

Apesar de, por norma, ser um pouco apreensiva no que diz respeito a personagens novas, Ethan, Maya e a Xerife Mac rapidamente se estão a enquadrar no contexto da série, talvez pela sua relação com Hope e Alaric. Como referi, trazem uma nova perspetiva e abrem um pouco o mundo dos humanos, relembrando a audiência que não existem só seres sobrenaturais em Mystic Falls. Ainda que ache que Legacies tenha feito um bom trabalho na 1.ª temporada ao humanizar as suas personagens ao dar-lhes problemas bastante reais, percebo a necessidade de abrir um pouco o universo nesta segunda parte da série.

Se as personagens humanas têm vindo a ter um impacto positivo na série, o mesmo não pode ser dito sobre as adições sobrenaturais. Tanto Vardemus como Sebastian representam presenças negativas, um de forma muito mais óbvia que o outro. Percebemos já que o novo diretor da Salvatore School tem tudo menos boas intenções no que toca aos seus alunos e a sua influência sobre Josie começa a ser, no mínimo, preocupante. Já Sebastian é simplesmente suspeito, ainda para mais tendo em conta o contexto da sua aparição. Não acredito que este seja um figmento da imaginação de Lizzie, como a série tem dado a entender, mas isso só levanta mais questões. É previsível que, mais cedo ou mais tarde, as irmãs se vejam no meio de sérios problemas – Josie devido aos seus problemas de raiva, exacerbados pelo uso de magia ofensiva, e Lizzie por possivelmente ignorar bandeiras vermelhas por causa de uma paixoneta.

Por fim, é importante mencionar que, graças a Hope, Rafael está finalmente de volta à sua forma humana e, juntamente com Landon e Josie, sabe já que Hope não é uma rapariga normal. Pouco a pouco, Hope vai-se aproximando daqueles que considerava seus amigos, mesmo que em circunstâncias completamente diferentes. Não acredito que Legacies não arranje maneira de restaurar as memórias que todos têm da híbrida, por isso resta apenas saber: como e quando é que se irão lembrar de Hope?

Inês Salvado