Classificação

7.7
Interpretação
7.5
Argumento
7.7
Realização
7.6
Banda Sonora

Atenção: esta review contém spoilers!

Na passada sexta-feira, Grey’s trouxe-nos Breathe Again, o novo episódio desta sua 16.ª temporada. Neste 5.º episódio, Meredith tem uma audiência no tribunal após faltar às suas horas de serviço comunitário. Entretanto, Bailey e Jo lidam com uma paciente que, Jo percebe, faz parte do centro de tratamento onde esteve e, por fim, Richard e Gemma partilham um pequeno-almoço que não corre como planeado.

No meio das muitas asneiras que Meredith fez ao longo desta temporada, é claro que a coisa mais razoável é aquela que realmente lhe traz problemas. Quando Zola experiencia sintomas preocupantes, Meredith leva-a ao Grey Sloan para ser tratada. A filha da médica acaba por precisar de cirurgia para rever o seu shunt, o que, obviamente, leva a que Meredith falte à sua audiência, apesar dos conselhos em contrário.

É natural que, enquanto mãe, Meredith queira permanecer ao pê de Zola, mas sabendo a situação precária em que se encontra e tendo em consideração a simplicidade do procedimento (reforçada várias vezes durante o episódio por várias outras personagens), a série não faz um bom trabalho em dar a Meredith uma razão boa o suficiente para faltar à audiência — algo que se torna claro também na decisão do juiz, que acaba por sentenciar Meredith a algum tempo de prisão como castigo por faltar ao serviço comunitário.

Era já esperado que, eventualmente, Meredith viesse a sofrer as consequências das suas ações e estas estão finalmente a apanhá-la. Tenho vindo a reforçar ao longo das últimas semanas que, ainda que concorde com as intenções da médica, não concordo com os seus métodos — não só por colocar em causa o seu trabalho, mas também a sua vida familiar e o bem estar daqueles que dela dependem. Tem sido este o meu problema com a atitude despreocupada de Meredith e, vemos agora, não o foi sem fundamento. Tenho alguma curiosidade em ver de que forma esta narrativa se vai desenrolar no decorrer destes próximos episódios, especialmente com estes desenvolvimentos recentes.

O que me tomou por surpresa, neste episódio, foi o facto de a série voltar a pegar na storyline de Jo através do aparecimento de uma personagem que foi sua terapeuta durante o tempo que esta passou no centro de tratamento. No começo desta temporada, exprimi o meu descontentamento em relação à falta de atenção que Grey’s deu ao assunto, pelo que me agrada que o retome agora. Acho importante (e bastante interessante, mesmo) que seja abordado, até porque continua a expandir os horizontes da série para lá daquilo que já esperamos dela. É bom ver que, apesar do progresso que já fez, Jo continua a batalhar os seus demónios ao invés de passar a ideia que ficou simplesmente curada. É uma visão realista do que é viver com problemas do foro mental e psicológico e definitivamente a minha parte favorita deste episódio.

Menos positiva foi a história de Gemma e Richard. Como tinha sido já indicado em episódios anteriores, Gemma tem um interesse pelo nosso Dr. Webber e, neste episódio, deixa-se de rodeios e coloca isso em evidência. De forma muito pouco apropriada e algo forçosa, faz referência ao historial amoroso de Richard para tentar provar o seu ponto, chegando mesmo a mencionar o facto de Catherine estar sempre ausente como se isso justificasse alguma coisa. Infelizmente, parece que existe uma verdadeira possibilidade de que algo se venha a intrometer entre o casal, mas resta-nos apenas ver o que os próximos episódios trarão.

Inês Salvado