Grey’s Anatomy – 14×08 – Out of Nowhere
| 20 Nov, 2017

[Contém spoilers]

Estava prometida uma despedida em grande para esta que é a primeira parte da 14.ª temporada. Considero que a maioria das vezes em que prometem algo em grande estão a exagerar e foi o caso. O episódio está longe de ter sido emocionante ou até mesmo bom. Tirando a estreia da temporada, terá sido o pior desempenho deste 14.º ano. Não é que tenha sido um episódio terrível, mas… Não teve aquilo que era preciso para me deixar curiosa com o que aí vem, em janeiro.

Azar 1345 (provavelmente não estou mesmo a exagerar no número) do hospital: o sistema informático é atacado por piratas e todos os computadores ficam inacessíveis. Seria de pensar que isso não é nada de especial, já que se praticou medicina durante muitos séculos sem os benefícios da tecnologia moderna, mas todas as informações dos pacientes, sobre a administração de medicação, está informatizada. A medicação errada pode causar a morte de um paciente… E talvez venha mesmo.

Tudo o que tem um ecrã, basicamente tudo o que é eletrónico, está inutilizável. O caso é tão grave que não tarda a chegar o FBI. Tudo o que os piratas informáticos querem é o pagamento de um resgate. Só que o resgate que eles pedem ao Grey Sloan é incrivelmente elevado (eles bem sabem que há os fundos para esse pagamento) e o FBI recomenda a Bailey que não ceda, porque isso faria com que todos os pedidos de resgate do género subissem exponencialmente e a maioria dos hospitais não tem esse tipo de verbas. No entanto, a verdade é que começa a ser uma questão de vida ou de morte. Só que o salvamento ali poderá significar a morte de outras pessoas que tiverem o infortúnio de estar num hospital que não pode pagar um resgate avultado. Basta uma palavra de Bailey para Jackson transferir os fundos. É quase uma decisão impossível, mas a verdade é que Bailey só é responsável por aquele hospital, por aqueles doentes…

No entanto, esta linha narrativa acabou por falhar ao não ter sido entusiasmante o suficiente, até porque quem estava em perigo eram os pacientes, pacientes que nem conhecíamos anteriormente, e com que não nos preocupamos.  A não ser o miúdo de Alex, gostei dele! Grey’s Anatomy proporciona bom drama quando ameaça a segurança dos nossos médicos e não foi o caso. Se bem que Jo não se está a sentir nada segura neste momento! O abusivo do marido dela apareceu ali do nada, tal qual uma entrada numa telenovela de má qualidade.

O episódio também não foi muito bem sucedido na tentativa de aligeirar as coisas – quando nem precisavam de ser muito aligeiradas. Serviu-se de Jo, que ensaiava uma postura de má para impor respeito agora que é chefe dos residentes; de Meredith, que odeia ser alvo de atenções e popular por ter ganho o Harper Avery e por isso é um tanto ou quanto desagradável quando está a dar uma entrevista… A única parte que teve realmente piada foi a da mãe do paciente de Alex com uma valente paixoneta. A sério, a mulher a arranjar-se na casa de banho, a naturalidade com que o miúdo expressava a adoração da mãe pelo médico e depois o gozo que Jo deu a Alex foram partes bastante engraçadas! E sim, Alex não é um médico nada desagradável ao olhar e da maneira como é fantástico com os miúdos não sei como é que aquele tipo de adoração por parte das mães não lhe acontece mais vezes.

Também não consigo deixar de encontrar bastante satisfação em qualquer interação que Arizona e Carina tenham. Por favor, que isto se torne algo real e que a Carina pare de dormir com o Owen. Se bem que também teve piada quando Amelia deu com eles a terem sexo no episódio passado! É algo que nunca muda nesta série: gente sempre a ter sexo em sítios impróprios, seja em cozinhas, on-call rooms ou todos os lugares vazios e com um mínimo de privacidade naquele hospital!

Diana Sampaio

Publicidade

Populares

a league of their own

Recomendamos