Classificação

7
Interpretação
5
Argumento
6.5
Realização

[Não contém spoilers]

Why Are You Like This é mais uma série de comédia, que desde dia 16 integra o catálogo da Netflix. No entanto, pelo que percebi através de uma pesquisa, I Love Gay, o primeiro episódio desta série, já tinha sido exibido na ABC australiana em novembro de 2018 como parte de uma antologia. Essencialmente, esta série acompanha a vida de três jovens amigos, Mia (Olivia Junkeer), Penny (Naomi Higgins) e Austin (Wil King), enquanto tentam intercalar a ideia que têm sobre consciência social com as incertezas e adversidades da vida adulta.

Mesmo sabendo que se tratava de uma sátira, sendo portanto expectável que houvesse uma espécie de ridicularização de determinados temas/situações, eu não consegui apreciar lá muito este episódio. Não digo que a sátira não esteja bem conseguida e que até não tenha achado graça a um ou outro ponto da história, mas no geral não gostei muito de I Love Gay e acho que a principal razão para isso prende-se com o facto de ter ficado bastante expectante, pois Why Are You Like This parecia mesmo o meu tipo de série.

Mesmo os personagens sendo ligeiramente carismáticos e as histórias de cada um deles, inicialmente, até aparentarem ser interessantes: Mia não consegue manter nenhum emprego, Penny é a única mulher programadora numa empresa de software, Austin é gay, a verdade é que não consegui gostar muito deles, nem das suas atitudes, ainda que de certa forma as consiga perceber dentro do contexto e objetivo da série. Talvez seja precisamente uma consequência dessa sátira.

No entanto, e uma vez que este episódio não foi criado e lançado ao mesmo tempo que os restantes cinco – que também já se encontram disponíveis na Netflix -, ainda tenho esperança de que estes possam ser um pouco melhores que I Love Gay e, por essa razão, e também pelo facto de os episódios terem pouco mais de 20 minutos (apesar de ter parecido mais tempo do que realmente era), estou a ponderar ver os restantes, pois ainda me posso vir a surpreender (não seria a primeira vez!). Agora não sei é se isso vai acontecer num futuro próximo.

Cármen Silva