Arrow – 06×02 – Tribute
| 23 Out, 2017

Publicidade

[Contém spoilers]

“Anything interesting on the news last night?”

Como nos disse o maquiavélico Littlefinger em Game of Thrones, “Caos is a ladder”, e do caos que foi o episódio passado, Arrow conseguiu subir na qualidade, achando uma base sólida para poder desenvolver a história das suas diversas personagens.

Antes demais, repararam nos símbolos iniciais dos vários membros da Team Arrow e não só a seta do Green Arrow? A proteção de Star City realmente cresceu para muito mais do que apenas o The Hood.

Na semana passada, o episódio terminou com uma notícia dramática do Canal 52, o prefeito Oliver Queen é o Green Arrow (notícia essa que também vimos num jornal do episódio de The Flash). Foi uma “bomba” meio súbita, mas ao longo do episódio percebemos que as implicações deste golpe estendem-se mais fundo do que aparentavam inicialmente. Terem pensado no Human Target foi uma boa ideia. Lembram-se dele? Interpretado pelo ator Wil Traval, entrou na temporada passada no episódio “Human Target” e possui o poder de mudar a seu gosto a sua aparência física. Seria sem dúvida a solução mais fácil para resolver este problema. Quanto a culpados faria sentido ser isto ainda um dos planos de Adrian Chase, que estava sempre dez passos à frente. Não tendo sido também Anatoly, quem é que acham que pode ter sido? Um plot que também pode dar frutos é o da investigação do FBI pela agente Samanda Watson (Sydelle Noel) (também conhecida por Misty Knight, cof cof). Já não é a primeira vez que Oliver é investigado por suspeita de ser um vigilante, mas desta vez as coisas parece que não se resolverão tão facilmente (o que não é de estranhar, porque estar sempre a ser acusado do mesmo é mais do que suspeito).

Reconhecer algumas falhas da série é um bom sinal e indica o início para as poder resolver, mas melhor que isso é mesmo tratar delas. A conversa entre Felicity e Curtis sobre as profissões de cada um dos elementos da Team Arrow representam algumas das perguntas que fazemos a nós próprios do género: “como é que esta gente paga as contas ao fim do mês?”, e tivemos assim alguns esclarecimentos neste episódio. O que isto veio realçar é que outra personagem que necessita de uma atenção especial e de um desenvolvimento pessoal é Diggle. Claro que entre os danos provocados em Lian Yu e com a proposta no final do episódio, pode ser mesmo isso a que iremos assistir no futuro.

A história à volta de Diggle foi uma boa parte do episódio. Se ao princípio podíamos achar a atitude de Dinah meio brusca e exagerada, rapidamente percebemos que as preocupações dela têm fundamento. O que aconteceu foi que durante as diversas explosões do season finale passado, Diggle foi apanhado por alguns estilhaços e agora está com degeneração progressiva dos nervos. Não é de todo um diagnóstico alegre e é exatamente aquilo que faz um herói reformar-se. Porém, se foi possível pôr Felicity de novo a andar, tenho esperança que o nosso Spartan possa também vir a ser curado em breve. Mas até lá as coisas parece que ainda se vão complicar um bocadinho.

Outro enredo que melhorou muitíssimo apenas num episódio foi o do esforço de Oliver para se ligar a William. Nesta semana, já ficámos muito mais convencidos das preocupações de William e do porquê de ele agir assim. É verdade que Oliver está a tentar conjugar tudo, mas ser herói, prefeito e pai tudo ao mesmo tempo é uma tarefa impossível. Oliver decide abdicar da parte de vigilante – que sabemos que não vai acontecer a longo prazo – e daí fica a dúvida: estarão os dias do prefeito Queen contados?

E quanto ao regresso de Anatoly? O quanto caiu o nosso gangster russo preferido! Apesar de ele querer que acreditemos que ele ainda é um homem honroso e não um vilão, as suas ações falam mais alto. Gostava que o desespero da suas ações tivesse sido melhor explorado (e talvez ainda o seja), assim como a luta interior de Oliver para o derrubar também devesse ter sido mais aprofundada – isto porque apesar de ele não poder matar nem enviar para a prisão normal, existe sempre a possibilidade de o deixar ao encargo da ARGUS.

As cenas de ação já no episódio passado funcionaram bem e neste continuam a não desiludir. A ferocidade com que Green Arrow atravessou todos os criminosos da Bratva para salvar os dignatários de Markovia foi impressionante; para além disso, Mr. Terrific e Black Canary também estiveram bastante bem.

O momento final do episódio com Oliver a tentar passar o manto de Green Arrow para Diggle foi feito para transparecer grandiosidade e marcar um passo importante, mas eu não deixei de pensar “mas que egoísmo!”. A missão de salvar a cidade foi transmitida de Robert para Oliver e é ele que mantém a chama para manter a equipa a funcionar; desistir de tudo isso agora não faz muito sentido. E pior de tudo, a razão ser por agora ser pai… Diggle tem uma filha pequenina!!!! Lógica a ir pelo esgoto…

Continuam a ser demasiadas personagens para um “malabarismo” eficaz e o rumo desta temporada parece ainda não ter sido bem esclarecido; no entanto, com um 2.º episódio claramente melhor, esperemos que na próxima semana “Next of Kin” consiga subir ainda mais a fasquia. Oliver continuará a tentar conectar-se com William e para isso irá pedir ajuda, já o vilão da semana será Onyx, que vai roubar algo perigoso das Kord Industries. Até lá, salvem as vossas cidades!

Emanuel Candeias

Publicidade

Populares

calendário estreias posters junho 2024

station 19 abc

Recomendamos