10x11 – The Forever People

10×11 – The Forever People

Novo ano, novos episódios de Criminal Minds! No décimo primeiro episódio desta temporada, a nossa equipa de investigação favorita da TV começa 2015 com um caso envolvendo um culto; JJ é mais um membro do grupo atormentado por tragédias do passado – será que consegue libertar-se dos seus demónios interiores?

Contém spoilers!

 

Criminal Minds está de volta! Neste episódio, são encontrados corpos congelados num rio, e depois de concluir que os corpos foram electrocutados e consequentemente ressuscitados com um desfibrilador depois de perderem a consciência devido ao extremo frio; JJ também assume que as vítimas entraram numa câmara frigorífica voluntariamente, e um exame de sangue confirma que as vítimas foram privadas de proteína e alimentadas apenas com alimentos ricos em açúcar para incitar lavagens ao cérebro: tal coisa, de acordo com JJ, correspondem a tratamentos praticados em cultos secretos.

Gosto quando Criminal Minds aborda o tópico de cultos, como funcionam, e como conseguem fazer com que pessoas inteligentes a aderir a cultos usando apenas a persuasão (com alguma ajuda de truques baratos como congelar recrutas e ressuscitá-los com electricidade). O primeiro suspeito, por óbvias razões, é o membro superior, mas mais tarde descobrem que ele preocupa-se mais com a gestão do culto que com congelar pessoas à morte.

Ao investigar mais a fundo, descobrem que um dos iniciantes, Carl (Brian Gant) do culto é o ex-parceiro da primeira vítima e tinha entrado no culto para salvar o filho, e conta com a ajuda da polícia para sair do grupo sem consequências fatais. Mas como é Criminal Minds, alguma coisa tinha de correr mal, não?

Carl é descoberto e atacado por um dos membros que acabaria por ser o verdadeiro serial-killer e leva-o para ser congelado e atirado ao rio como a primeira vítima, mas JJ chega para salvar o dia e detém o unsub!

 E por falar em JJ…

No decorrer do episódio, a agente lida contra algo que ela própria diz ser “para além do Transtorno do Stress Pós-Traumático”, resultado da tortura física e mental que sofreu nas mãos de Tivon Askari (que tinha aparecido antes na temporada nove), sem mencionar o aborto que proveio da tortura. Nem Reid, que com o seu intelecto impecável consegue detetar o comportamento estranho de JJ, consegue resolver o problema da agente; isso permite a JJ explicar que o que está a sofrer não pode ser explicado num livro e enfrentar os seus próprios demónios sozinha: todos já sabemos que é forte suficiente para ultrapassar essa fase! Ainda assim, gostei de como Reid se preocupa com JJ; por alguma razão, sempre que ele demonstra ter uma parte emotiva paralela à sua persona de “enciclopédia ambulante”, fico surpreendida! No fim, é um bocado inconclusivo se JJ irá conseguir eliminar os seus “demónios”, mas que está determinada para tentar, está!

Parabéns aos escritores do episódio por mostrarem o lado inexplicável do trauma sofrido por vítimas de tortura (quer seja por um culto ou por um ex-polícia maníaco), e por nos mostrar um dos momentos mais queridos da temporada, envolvendo Reid, Morgan e Hotch. Quem teve a oportunidade de ver o episódio sabe perfeitamente do que estou a falar!

E qual foi a vossa cena favorita? A de JJ a praticar boxe? A conversa entre JJ e Reid?

Confesso que tive saudades da série por estas semanas. É melhor compensarem-me com mais excelentes episódios como este!

 

8.5/10

 

Cátia Neto