3x11 - Going Home

3×11 – Going Home

Contém SPOILERS.

Desta confesso que não estava à espera. E, sim, já é a segunda vez que digo isto nas minhas reviews. Quando li os nomes dos primeiros onze episódios e li o deste, ‘Going Home’, sempre pensei que fosse de Neverland para Storybrooke. Para a Enchanted Forest? Não desta maneira.

Sempre desejei que todas as personagem um dia voltassem para lá. Afinal, é a casa deles. Mas no meu cenário idílico, Emma e Henry também estavam incluídos.

Pan e Felix iniciam o episódio a lançar a maldição dentro do poço mágico. Como é óbvio, Felix teve que ser sacrificado por ser a pessoa mais importante para Pan (e ficámos sem saber muito bem porquê). Porém, custou ouvir que Rumple não significava nada para si. E ainda custou mais vê-lo dizer-lho na cara. Tive instintos assassinos nessa cena, admito.

Bae, Hook, Tink e David foram atrás da Sombra para cortar o mal pela raiz. Fiquei muito feliz pela minha fada preferida ter voltado a acreditar em si e recuperado os poderes. Buh bye, Sombra! E a cena entre ela e Hook em Neverland? Gostei. Eles fariam um casal interessante, sem dúvida (Team Bae all the way!).

Afinal, a Blue ‘ressuscitou’ com a morte da Sombra. Sinceramente, não é das minhas personagens preferidas. Contudo, espero que o seu passado seja mais explorado. Tenho um pressentimento que ela é uma das fadas madrinhas da Aurora. E a Tink (a Green) também.

Entretanto, o resto da malta preparava-se para a troca de espíritos nos corpos de Peter Pan e Henry. Mas que raio de erro foi aquele, Rumple? Usar um objecto mágico na pessoa que o criou? Não percebi se foi para facilitar o plot, mas eu vi logo que aquilo não ia dar boa coisa. A conversa entre pai e filho foi de partir o coração..

A cena entre Henry e Mary Margaret foi simples, mas tocante. Henry é um rapaz solitário e a professora deu-lhe algo em que acreditar (ainda gostava de saber de onde é que veio aquele livro). Quando ele olhou para ela e viu Snow White… vieram-me lágrimas aos olhos. Literalmente. Foi aí que ele começou a acreditar. He is the truest believer.

À medida que o episódio se ia desenrolando, ficava cada vez mais com a sensação de que aquilo não ia acabar bem.

A profecia sempre se concretizou. Sempre me cheirou que essa história ainda não tinha acabado. Mas matar Peter Pan com a adaga foi de mestre. Só não esperava é que Rumple ‘morresse’ da mesma maneira. Estou morta para saber para onde eles foram.

Todavia, nem a morte de Pan impediu a maldição. Storybrooke estava condenada e, mais uma vez, como ‘dona’ da maldição, Regina teve que abdicar da pessoa que mais gostava no mundo, Henry. Nem imagino o quanto lhe terá custado saber que o filho não se lembraria de si depois da maldição destruir Storybrooke.

As despedidas… Fiquei com um nó na garganta. É simplesmente cruel separarem Emma dos pais e Henry do pai e dos avós. Deu-me vontade de gritar.

Não sei se consigo dizer que adorei o episódio. Está bem feito e cheio de surpresas. No entanto, foi demasiado triste e doloroso de assistir.

No final, situado um ano após os últimos eventos, vemos Emma e Henry a viverem felizes como uma família normal e… aparece Hook. De onde é que ele choveu? Usou algum feijão mágico?

Como esta é a winter finale, vou terminar a review com os maiores mistérios da noite.

– Storybrooke desapareceu definitivamente?

– Onde está Rumplestiltskin (sim, porque duvido muito que tenha morrido)?

– Como raio é que Hook encontrou Emma? E como é que ele conseguiu regressar ao planeta Terra?

– O que aconteceu aos residentes da Enchanted Forest durante aquele ano? Que perigo correm eles desta vez?

Tantas perguntas e temos que esperar três meses pelas respostas. Isto é tortura. Vemo-nos então em Março, caros Oncers!

Nota: 8.5/10

Maria Sofia Santos