1426246_558113067607715_321749263_n

10×11 – Man On the Moon

Com a aproximação do casamento de April, somos apresentados às três irmãs (que eu desconhecia que existiam) da noiva. Há algumas coisas que precisam de saber sobre elas: são todas ruivas, irritantes que chegue, sabem tudo sobre toda a gente do hospital (Arizona que o diga) e são bem menos giras que a irmã mais nova. Ah, e babaram-se todas pelo Matthew. E depois pelo Jackson. Voltando à parte de serem irritantes, não pararam de tratar April como uma criança. Pior, foram condescendentes o tempo todo, até que April teve um daqueles momentos em que explode (depois de aguentar muito tempo) e se impôs. Depois de ser chamada de ‘patinho’ o dia todo, April disse que agora era um cisne e ‘demitiu’ as irmãs dos seus cargos de damas de honor. Arizona, Meredith e Cristina serão as substitutas e que óptima troca esta!

Jackson e Matthew depararam-se na rua com um homem que ficou com a gravata presa do lado de fora de um táxi e foi arrastado. Matthew foi mais rápido, fez um procedimento à G.I. Joe (não sei porque estou a usar esta expressão, mas achei piada). Jackson fartou-se de se queixar que Matthew tinha feito estragos que ele ia ter de reparar, Matthew já estava a ser acusado de estar a tentar provar algo, mas no fim Jackson admitiu que o paramédico tinha feito um bom trabalho e os dois concluíram que não tinham nada um contra o outro. Eu no lugar de Matthew não seria muito fã de Jackson, mas isso é com eles.

Callie e Arizona, ai a minha vida! A hostilidade em Callie é algo normal quando ela se encontra magoada e é óbvio que ela ainda está magoada com Arizona e por isso anda um bocado irritável. No entanto, foi ela quem pediu a Arizona para voltar, portanto se calhar era melhor deixar a hostilidade de lado e tentar algo mais útil à relação. Quem parece partilhar da minha opinião é Arizona, que está a tentar levar as coisas com normalidade. As duas estão com tendência para discutir, até que Callie se lembra, num verdadeiro momento ‘what the fuck’, durante uma discussão, de beijar Arizona. Eu virei-me para o ecrã e disse ‘a sério’? Callie acha que o problema é que têm falado demais, portanto decidiu beijar Arizona para acabar com isso. Eu sou a favor de que parem de discutir, mas falarem não seria nada má ideia. Aliás, ando desde o início da temporada anterior a implorar àquelas duas para terem uma conversa a sério. Nunca tiveram e acho que parte do problema entre elas tem sido esse. Estou completamente a favor de que se beijem, de que façam sexo, mas falar também dá jeito. Elas têm coisas a conversar, ignorarem esse facto não vai ajudar em nada.

Ainda a propósito de Callie, ela e Derek retomaram a investigação de há vários episódios atrás, quando estavam a trabalhar com um paciente tetraplégico. Agora a paciente era uma mulher e o caso (não sei se era essa a intenção, mas penso que sim) mais uma vez fez lembrar problemas que Arizona e Callie tiveram de enfrentar durante a recuperação de Arizona pós-acidente.  A paciente descarregava a sua frustração no marido, um homem paciente e sempre pronto a ajudar. Callie estava preparada para desistir da paciente, mas Derek foi mais insistente. E é nesse seguimento que se dá a cena mais interessante, e aquela de que mais gostei, em todo o episódio. A paciente admite que o que quer é conseguir dar aquele passo na recuperação pelo marido, depois de tudo o que ele tem feito por ela. Ela volta a tocar nele, o momento é bonito. Derek fica emocionado, Callie até solta uma lágrima e eu contrario a minha tendência habitual de chorar quando Callie chora. No entanto, confesso que foi muito tocante e bem conseguido.

Cristina anda a dormir com Shane. É estranho, ela que sempre gostou de homens que eram uma espécie de professor para ela agora andar com uma espécie de aluno. Fazem um ‘par’ estranho, mas até têm piada. Com Meredith, a relação continua tensa. Já não andam pelo hospital a puxar cabelos (a reprimenda de Shane parece ter surtido algum efeito), mas  estão muito longe de voltarem a ser as velhas amigas que conhecemos. As duas tiveram maus resultados em procedimentos que fizeram e só nisso parecem estar em sintonia.

O pai de Alex voltou. Com que então parece que era esta a pessoa do passado que ia regressar. Que alívio não ter de voltar a ver a cara de Lauren! Não que eu goste do pai de Alex ou da história à volta disso, mas tudo é melhor que deparar-me de novo com Lauren. Alex não gostou que o pai voltasse, Jo começa a não gostar da ideia também… Uma seca.

O Dr. Webber teve finalmente alta e não se conseguiu manter afastado do hospital por muito tempo e voltou para praticar procedimentos. E fez companhia a Bailey, que está desejosa de voltar a operar, mas isso só acontecerá quando a psiquiatra (devia ser isso que a tipa que andava atrás dela era) decidir que ela pode. E acho muito bem, Bailey não está em condições de voltar à acção.

Foi um bom episódio. Nada de fantástico, mas bom. Tive imensa pena de não termos tido direito a assistir ao jantar de Acção de Graças que Emma iria preparar, mas fora isso, não foi nada mau.

Nota: 7/10

Diana Sampaio.