Motel Valkirias: Antestreia da nova série da RTP
| 17 Fev, 2023

Publicidade

O Séries da TV marcou presença na antestreia da nova série da RTP, Motel Valkirias, que aconteceu na quinta-feira, dia 16 de fevereiro, no Cinema São Jorge. A série é uma coprodução luso-galega entre a RTP, a TVGalicia, a SPi e a CTV.

O visionamento do primeiro episódio de Motel Valkirias decorreu na Sala Manoel de Oliveira do Cinema São Jorge, num evento apresentado por Sílvia Alberto. Antes do visionamento, a apresentadora partilhou uma breve sinopse da série e chamou ao palco algumas das pessoas envolvidas na produção e circulação da série para uma pequena entrevista. Foi nessa altura que o Diretor de Programas da RTP1, José Fragoso, revelou que Motel Valkirias tem estreia marcada no canal português para o dia 27 de fevereiro, às 22h30 (e às 12h00 na RTP Play). A série vem, assim, substituir O Crime do Padre Amaro, cujo último episódio será emitido na RTP1 na próxima segunda-feira, dia 20 de fevereiro. Já na HBO Max, confirmou Patrícia Reis, Vice-Presidente de Brand e Marketing da HBO Max Portugal, Motel Valkirias estreará no dia 1 de março, tanto em Portugal como em Espanha.

Para além do mercado ibérico, foi revelado que a série também já foi distribuída para a Globoplay no Brasil e pela Onza Distributions, a quem Manuel Claro, Diretor de Negócios e Coproduções da SPi, deixou um agradecimento especial.

A narrativa de Motel Valkirias, explicou Sílvia Alberto, tem lugar num motel na fronteira entre a Galiza e Portugal e acompanha, durante oito episódios, três mulheres com grandes problemas pessoais e económicos que põem a sua vida em risco quando se cruzam com um cliente do motel que transporta mercadorias valiosas que elas pretendem adquirir, não sabendo, porém, que essas mercadorias pertencem a uma organização criminosa que as perseguirá e que fará de tudo para recuperar os bens. As três mulheres são interpretadas por María Mera, Maria João Bastos e Marina Mota, que se fazem acompanhar por um elenco que conta ainda com: Miro Magariños, Rui Neto, Rui Morisson, Tomás Alves, Jorge Vaz Gomes, Miguel Santiago, Miguel Borines, Filipe Amorim, Chechu Salgado, Machi Salgado e Alba Loureiro.

Depois do visionamento do primeiro episódio da série que, para um drama criminal, arrancou dos espectadores mais risos do que os esperados, Sílvia Alberto chamou ao palco o criador Ghaleb Jaber Martínez, o realizador Jorge Queiroga e parte do elenco da série para um brevíssimo Q&A. Aí foram colocadas questões sobre o processo criativo, o tempo de rodagem e os desafios de fazer uma série falada em duas línguas diferentes.

Na After Party, o Séries da TV teve a oportunidade de entrevistar Maria João Bastos, que interpreta Eva, uma das três personagens principais de Motel Valkirias:

SdTV: O que é que a chamou a atenção neste projeto? O que é que faz de Motel Valkirias uma série especial?

MJB: O facto de ser uma história de três mulheres que se encontram num problema inesperado e complicado e que conseguem atravessá-lo porque estão juntas, porque estão unidas, porque se apoiam, porque aprendem a gostar umas das outras – o que não acontece no início -, mas esse poder feminino foi uma coisa que eu achei muito interessante.

SdTV: A próxima pergunta era exatamente sobre as personagens femininas, que parecem personagens bastante complexas. O que é que podemos esperar da relação que elas desenvolvem ao longo da série e o que nos pode dizer acerca da sua personagem em particular?

MJB: No caso da minha personagem, que é uma mulher muito frágil, muito insegura, muito ingénua, que vive um drama pessoal com o qual não sabe lidar, ela acaba por conhecer estas duas mulheres que, sem querer, passam pelo mesmo infortúnio e a vão ensinar a ser mais forte enquanto mulher e ser humano e ela, por isso, vai conseguir ultrapassar o problema dela. Eu acho que existe uma evolução grande na minha personagem que tem a ver com isso, com o facto de ter encontrado estas duas mulheres que se unem a ela e que não a deixam ir abaixo.

SdTV: Em Portugal nós temos o ditado “De Espanha, nem bom vento, nem bom casamento”, mas coproduções como esta têm provado o contrário. Por que é que este casamento audiovisual entre Portugal e Espanha tem resultado tão bem?

MJB: Eu acho que nós temos tudo para aprender uns com os outros, para evoluir e para partilhar e os dois países e as duas realidades têm muito a ganhar com isso. Além disso, é um prazer trabalhar com eles, eles virem cá, nós irmos lá e, portanto, eu acho que estas coproduções são fantásticas para ambas as partes.

Publicidade

Populares

estreias calendário séries março 2024

Recomendamos