Na semana passada lancei a primeira parte desta crónica em que me propus partilhar convosco alguns videoclipes que, para mim, têm potencial para originar boas séries. Visto que a primeira edição já ia longa, deixei para hoje a continuação, com mais cinco vídeos cujas histórias valia a pena contar. Mais haveria, claro, até porque a minha lista inicial tinha bem mais do que dez opções, mas acabaram por ser estes os escolhidos. [Podem ver os vídeos completos através dos links nas hiperligações].

andra day rise upAndra Day, Rise Up: Sempre gostei de histórias sobre pessoas e sobre as suas relações e este vídeo é, nem mais nem menos, uma história de amor. Só acompanhamos um dia na vida deste casal, mas faz-me querer ver mais. Podiam ser um casal como qualquer outro, e de certa forma são-no, mas ele encontra-se paralisado – do pescoço para baixo, tanto quanto é dado a entender. Não há muitos personagens com limitações físicas, ainda para mais tão extremas, no mundo das séries e seria uma forma de dar a conhecer as dificuldades de se viver assim ou cuidar de uma pessoa em tal situação. No entanto, este vídeo não é sobre as limitações físicas dele, até porque, fugindo a típicos clichés narrativos, nenhum deles parece revoltado ou zangado com a situação. São um casal que se ama e que tem um encontro romântico. Acho que seria giro uma série focada no quotidiano deles, mas na qual a incapacidade não é a personagem principal. Não imagino o que é viver algo assim, mas eles parecem ter ultrapassado isso tanto quanto possível. Para terminar, penso que seria interessante, numa fase final da série, ter apenas um pequeno vislumbre do que terá acontecido para deixar o personagem paralisado.

everytime britney spearsBritney Spears, Everytime: Nos anos mais recentes, Britney pode ter sido vista por muitos como uma estrela da pop caída em desgraça, mas eu nasci em 1990 e cresci a ouvi-la, é uma cantora que marca a minha infância e os meus primeiros anos de adolescência. Britney pode não ter sabido lidar da melhor forma com a fama, mas o seu nome está inscrito na história da música e há mérito no seu trabalho. Everytime é o meu vídeo favorito – possivelmente a música de eleição também – da cantora e alguns consideram-no como profético, uma espécie de antecipação da destruição que a fama traria à vida de Britney. Cá para mim trata-se de mera coincidência, mas a história deste vídeo é muito interessante. A personagem principal é uma celebridade que é notada pelo mundo inteiro menos pelo namorado. É perseguida pelos paparazzi e por fãs ao sair de uma limusina para se dirigir a um hotel e, na confusão, é atingida por uma câmara. Não parece nada de especial, mas quando se prepara para tomar um banho, vemos que tem um ferimento, que sangra, na cabeça. O namorado encontra-a, inconsciente, na banheira e ela é levada para o hospital, onde luta pela vida. Até aqui tudo bem. Acho que a exploração do lado negro da fama – quer devido à falta de privacidade, quer ao constante assédio dos fãs e dos paparazzi – é muito relevante, especialmente nos dias de hoje, em que tudo o que uma celebridade faz ou diz pode ser dissecado nas redes sociais. Depois, a questão da relação conturbada com o namorado também podia ser interessante. A fama não atinge apenas as celebridades, mas também aqueles que estão à volta delas. Só não gosto da parte como o vídeo acaba, como se tudo tivesse sido um sonho ou, melhor, um pesadelo. Acho que a história podia perfeitamente terminar com ela a lutar pela vida, sem sabermos o desfecho.

stan eminem didoEminem ft. Dido, Stan: Aqui temos também presente a questão da fama, mas do lado oposto. Nesta fabulosa colaboração com Dido, Eminem conta-nos a história de Stan, um jovem completamente obcecado pelo seu ídolo, um rapper. Stan tenta parecer-se fisicamente com ele, tem a casa repleta de posters do ídolo e acompanha todos os pormenores da sua vida, fez tatuagens como homenagem e não presta a menor atenção à namorada porque a sua obsessão não o permite ver mais nada. Depois de ter conhecido o ídolo e de este lhe ter prometido que lhe responderia às cartas, Stan tenta corresponder-se com ele, mas sempre sem sucesso. Então, começa a sentir-se traído e, como pessoa desesperada que revela ser, toma uma atitude extrema: enfia-se no carro, com a namorada grávida na mala, com a intenção de os matar aos dois e de enviar uma cassete ao seu ídolo imputando-lhe responsabilidade. Quando já estão os dois mortos, o rapper recebe finalmente as cartas e imediatamente se dedica a responder-lhes, até que se apercebe que o caso que vira nas notícias era o de Stan. Daria uma história perfeita sobre o quanto a dedicação de alguns fãs pode rapidamente tornar-se em loucura e sobre o quanto, mesmo que a vontade seja muita, se revele praticamente impossível que uma celebridade seja capaz de fazer a diferença na vida de quem os admira. Não o digo como uma crítica, mas como uma inevitabilidade. Uma pessoa que não nos conhece, que pode muito bem viver a milhares de quilómetros de nós, não faz ideia do impacto que pode ter na vida de cada um. É certo que as celebridades só são aquilo que são devido aos fãs e que devem tratá-los com o respeito merecido, mas não podem ser responsabilizadas por aquilo que eles fazem. Stan pensou que estava simplesmente a ser ignorado quando não se tratou disso. Teria significado o mundo para ele ter recebido aquelas cartas e talvez tivesse evitado que se matasse daquela forma, naquela altura, mas ele quereria sempre mais. Uma obsessão destas nunca pode acabar bem.

til it happens to you lady gagaLady Gaga, Til It Happens To You: Este vídeo, que por acaso é da minha artista favorita, Lady Gaga, tinha como intenção consciencializar para a problemática dos abusos sexuais nos campus universitários americanos. Não faço ideia de qual é a realidade em Portugal e sempre me senti segura quando andava na faculdade, mas nos Estados Unidos é verdadeiramente alarmante. A universidade devia ser um lugar seguro, mas não o é para muitos jovens como os deste vídeo. Vemos várias raparigas e um rapaz trans em vários momentos do seu quotidiano e que acabam por ser todos violados. Uma deles por um amigo; outras são drogadas… As circunstâncias são diferentes, mas a dor – que muitos de nós, felizmente, não saberão como é; enquanto outros, infelizmente, sim – é a mesma. Desde que surgiram os movimentos Time’s Up e #MeToo, no rescaldo dos escândalos sexuais em Hollywood, que a discussão sobre o tema dos abusos sexuais ganhou força, mas penso que o passar do tempo diminuiu essa mesma força. Não podemos deixar que um assunto desta relevância caia nunca no esquecimento e portanto temos que continuar a falar sobre isso. Mais uma série sobre o tema nunca seria demais, até porque não há assim tantas. Aproveitando a importância do #MeToo, acho que poderia ser interessante vermos um destes jovens a denunciar o que lhe tinha acontecido e ver alguns dos outros a partilhar que o mesmo se tinha passado com eles, enquanto outros mantinham tudo para si ou dentro de um ciclo muito restrito, porque não há uma maneira certa de lidar com algo assim. Ainda é muito difícil para muitas mulheres e homens admitirem que algo tão horrível lhes aconteceu e cada um deve fazer o que é melhor para si. Depois acho que também valeria a pena ver estes sobreviventes de abusos a serem apoiados pela família e/ou os amigos, tal como no vídeo. Ninguém devia estar sozinho enquanto passa por algo assim.

maroon 5 she will be lovedMaroon 5, She Will Be Loved: Nunca fui grande fã dos Maroon 5, mas gostei imenso deste vídeo desde que saiu. A história é a de um jovem numa relação com uma rapariga da mesma idade, mas que acaba por se apaixonar pela mãe da namorada. A mulher mais velha é atraente, vibrante, mas é óbvio que o seu casamento não é feliz. Vemo-la a tentar atrair a atenção do marido por várias vezes, mas ele ignora-a. Bem, e depois há as vezes em que é espancada. Um dia o jovem encontra-a caída no chão depois de ter sido agredida e os dois acabam por se envolver. A partir daí, ele parece dividir-se entre a namorada e a mãe dela, embora me pareça que ele se apaixonou perdidamente por esta última. Para mim, isto é uma história interessante. Daria para explorar mais os sentimentos dele, os dela… Haverá mesmo amor da parte dos dois? Ou estará ela apenas a agarrar-se a alguém que a vê realmente e a trata bem, alguém que é o completo oposto do marido? E a filha? O que é que este caso significará para a relação dela com a mãe? Viriam ao de cima os abusos que o pai exerce sobre a mãe? Ela seria capaz de perdoar? São perguntas às quais gostava de ver ser dada uma resposta.

Bem, eu aprecio imenso minisséries, porque contam a narrativa que têm para contar sem se alongarem muito, portanto uma temporada, não muito extensa, seria mais do que suficiente para aprofundar as histórias destes vídeos. Já partilharam connosco os clipes que gostavam de ver transformados em séries?

Diana Sampaio