Classificação

7.4
Interpretação
6.5
Argumento
7.0
Realização
7.2
Banda Sonora

[Contém Spoilers]

This is Us ofereceu esta semana um episódio com uma fórmula bem distinta de tudo o que tinha feito até aqui, mas quanto a mim, não foi necessariamente bom. Passámos cerca de 40 minutos “aprisionados” com os Pearson numa sala de espera, polvilhada com tensão, quezílias passadas, assuntos mal resolvidos e emoções à flor da pele.

Confesso-me um profundo fã da série, já me emocionei com ela, já ri, já me senti inspirado… mas esta semana a principal sensação que o episódio me deu foi enervar-me bastante… Sempre escrevi reviews essencialmente positivas porque justiça se faça, This is Us é uma das melhores séries dos últimos anos e sempre teve muito mais a elogiar do que a criticar. Dito isto, perdoem-me quem apreciou o episódio – não me convenceu, e passo a explicar porquê: gosto praticamente de todas as personagens que estavam naquela sala de espera, mas um episódio com um só cenário vive do guião, precisa de diálogos fortes, de conteúdos inovadores, surpreendentes, senão facilmente se torna monótona ou até pouco credível… e apesar de não ter sido completamente isento de breves bons momentos, foi exactamente o que aconteceu, não tivemos quanto a mim um episódio bem escrito.

Os escritores da série estão a tornar-se repetitivos e levar as personagens para caminhos onde já estiveram, o que rouba interesse e brilho a personagens que já o tiveram… quem quer ver o Kevin cair de novo no ciclo da bebida? Quem quer ver o Miguel pela milionésima vez a fazer o papel do coitadinho que está à margem da família, mas que entende o seu lugar – e o que foi o aquele jogo do Miguel do “chocolate” e do “ranch sauce” – a ideia deveria ser trazer algo engraçado no meio de um exagero de drama – mas ficou desenquadrado e parvo, na minha opinião. Beth e Randall – já foram o meu casal-modelo e os personagens com mais química na série – esta divergência não condiz com o que conhecemos de ambos – daqui a 2 semanas teremos um episódio dedicado a este casal e espero uma reviravolta: pede-se uma vitória para o amor aqui se faz favor!

E as provocações Kevin-Randall – não tínhamos já ultrapassado isso? Não tínhamos assistido a uma evolução muito positiva e transformacional da relação dos irmãos, porquê esta “guerra” toda num momento que pedia mais união que nunca? Foi demasiado – quando Kevin saiu de cena para ir lá fora espairecer, apeteceu-me ir com ele – No meio de tudo isto, a maluquinha Madison parecia a mais “positiva” e determinada em fazer algo de bom para a Kate!

No meio de tanto “caos familiar”, foi-se sugerindo pelo discurso de Rebecca e pela reação de todos que possa estar a aparecer algum problema do foro psiquiátrico(talvez tenhamos aqui uma pista sobre aquelas cenas do futuro e que iria ser visitado) – seria com certeza um grande desafio para Mandy Moore que tem correspondido a todos os momentos da sua personagem com prestações louváveis – esta semana não foi diferente, e além da constante apatia ao longo de vários devaneios, o seu momento de maior consciência foi o momento alto nesta sala de espera. Tudo melhorou com a entrada em cena de Toby, com as novidades portadoras de esperança, com a sua boa tentativa de ser engraçado num momento tenso e o episódio valeu também pelo momento ternurento dos pais com o seu bebé Jack! Temos mais um Pearson por quem torcer!

Finalmente outro motivo que eu acho que esta na base da menor qualidade deste episódio – faltou um elemento que já elevou a qualidade de muitos episódios – Jack Pearson!

Faltam 3 episódios, mais do que suficientes para darem a volta ao texto e terminarem esta temporada em beleza e com a qualidade a que nos acostumaram…

André Borrego