Classificação

5
Interpretação
7
Argumento
6.5
Realização
7
Banda Sonora

Uma aldeia no meio de Brooklyn? Bem, não é propriamente uma aldeia mas um prédio em que toda a gente se conhece e onde existem regularmente festas e convívios no telhado. É isto que nos promete The Village, um novo drama da NBC, criado por Mike Daniels.

A fórmula para esta série é já familiar do público: somos apresentados a várias personagens e acabamos por perceber que todas estão interligadas. Neste caso, todas as personagens residem no mesmo prédio, prédio esse que tem um forte espírito de comunidade e por isso é como se estivéssemos a falar de uma família. Foi este aspeto que me atraiu para a série mas tenho que confessar que não me conseguiu convencer. O que faltou mais para mim foi a química e representação por parte do elenco. Notava-se demasiado que aquele elenco não se conhecia e não consegui sentir a relação forte que supostamente existe entre as personagens. Claro que este é um aspeto que pode facilmente melhorar ao longo dos episódios, mas fez com que o piloto não fosse tão forte como era esperado.

Quanto às personagens em si também não senti propriamente nenhuma conexão com nenhuma delas. Temos um veterano de guerra, uma mãe que trabalha num centro de dia, alguém que está a enfrentar cancro, uma mãe adolescente… todos os clichés de uma série americana. Talvez isto seja um defeito meu e de colegas reviewers, mas ver tantos pilotos acaba por me abrir os olhos para a repetição de fórmulas que existe na televisão, especialmente americana. A série não é má, mas já vi tantos pilotos parecidos que é preciso uma série ser mesmo diferente para me surpreender.

Parece que há cada vez mais séries a copiar a fórmula This is Us, em que tentam e acabam por falhar na criação de uma dinâmica familiar com histórias tristes e dramáticas à mistura. O problema é que The Village, neste caso, tenta introduzir situações dramáticas (leiam: cliché) antes de nos introduzir propriamente às personagens. Eu não consigo sentir a empatia que a série pretende por alguém que tem cancro ou que teve danos na guerra, se eu não as conheço e não criei uma ligação prévia. Talvez a série consiga mais tarde criar essa ligação, mas para um episódio que é suposto prender a atenção foi fraquinho.

Ana Oliveira