Classificação

7.5
Interpretação
6
Argumento
7.2
Realização
7
Banda Sonora

[Contém spoilers]

#Feminism ou nem por isso?

E depois de um excelente episódio na semana passada, mas que grande tropeção que The Flash deu nesta! Sem dúvida o pior episódio da temporada e o pior desde há muito tempo na série inteira. Numa tentativa de realçar o Girl Power e uma chamada de atenção ao feminismo, o tiro saiu pela culatra, realçando apenas uma escrita fraca e descuidada e um enorme desperdício de uma boa vilã e do que podia ter sido um ótimo enredo para Killer Frost.

O grande evento da semana foi a despedida de solteiro de Iris e Barry. E não se pode dizer que não tenham havido momentos divertidos dos dois lados. No entanto, o lado dos rapazes, como se deixou ficar sempre pela zona mais descontraída, conseguiu tirar muito mais proveito da situação.

“You have no security. You guys might wanna consider something, anything at all!”.

O convite de Felicity a aparecer em Central City foi uma boa visita para animar a festa, mas é impossível não perguntar, então e Oliver? Porque não foi convidado para o lado de Barry? É triste pensar que depois de tudo o que os dois super-heróis já passaram ele nem sequer é considerado amigo. Os laços entre Barry e Oliver sempre pareceram mais fortes do que por exemplo entre Iris e Felicity.

Comecemos pela parte boa. Quem é que estava à espera de ver a versão de A Ressaca (2009) com a Team Flash? Ehehe. Do que gostaram mais na última noite de solteiro de Barry?

  1. Da festa caseira que Cisco preparou para Barry?
  2. Harry e Joe a serem uns trogloditas?
  3.  A mudança radical que Ralph trouxe ao cenário?
  4. O Barry bêbedo? “I’m the Flash!!!”
  5. Luta de Bar! “Everybody, stop! I’m a cop!”

Já a parte com Joanie Horton, a filha de Cecile, não sei se não era escusada. Não trouxe assim nada de relevante para a história e não é uma personagem por quem alguém sinceramente se interesse muito.

Vamos agora para a festa das meninas. Há aqui fãs do filme Bridesmaids (2011)? Era bom se a festa tivesse sido desse género, mas não foi. Para começar com as críticas negativas temos as convidadas de Iris. Os amigos não se medem aos palmos, nem aos números nem nada do género, mas a verdade é que aparentemente Iris não tem amigas. Como se pode perceber, a relação entre Iris e Caitlin é mais de colegas de trabalho do que propriamente de amigas, Cecile é a namorada do pai e Felicity nem sabia que era assim tão amiga dela. Será mesmo possível Iris não ter nem uma amiga do trabalho ou de infância ou assim? O mais provável é isto ser apenas uma amostra de uma escrita descuidada em que os produtores não se deram ao trabalho de aprofundar nem um pouco a vida pessoal de Iris. Pelo menos ao longo do episódio foi-se percebendo um fortalecer dos laços entre Iris/Felicity e Iris/Caitlin, o que foi uma coisa boa. Os diálogos entre Iris e Caitlin foram um destaque bastante positivo do episódio. Quanto a Cecile, a maior parte do tempo não parecia que se integrava bem no grupo, sendo sempre o elemento que está a mais.

Amunet foi anunciada como uma ameaça de fazer tremer Killer Frost e que prometia mostrar-nos o que Caitlin andou a fazer nos meses em que se separou da Team Flash. Serei eu o único que esperava muito mais dessa história? Talvez uns flashbacks de Killer Frost a fazer de “músculo” para Amunet, um desenvolver da operação de crime da vilã… em vez disso tivemos dois ou três diálogos a explicar tudo o que se passou e já está. E alguém alguma vez considerou que Amunet ou o “medusa man” fossem realmente uma ameaça para Killer Frost? Se o Flash tivesse aparecido teria tudo sido resolvido em segundos. Os poderes de Amunet não chegam nem aos calcanhares de Magneto, esse sim seria um vilão digno de fazer tremer a Team Flash.

Juntamos a estas desilusões: atitudes descabidas de Iris e companhia decidirem atacar o grupo de Amunet sozinhos só porque sim + Cecile ser capaz de virar hacker em segundos + no final terem deixado escapar Amunet sem razão nenhuma = e temos uma completa confusão.

No meio disto tudo faço forças para que seja dada uma segunda oportunidade a Amunet para brilhar, pois o papel de Katee Sackhoff foi terrífico. Não só sozinha transpirou mais feminismo do que todas as outras personagens juntas como nos entregou uma vilã convincente e divertidamente sádica. Por favor, produtores, não desperdicem esta personagem!

#Feminism… para quê… mas porquê estarem sempre a dizer isso ao longo do episódio? Que coisa mais ridícula! Supergirl numa base regular consegue honrar mais o feminismo do que a fantochada que tentaram fazer neste episódio. “Girls just want to have fun”, mas forçar esse divertimento não é o caminho correto.

The Weeper é simplesmente terrível, dos novos meta-humanos é sem dúvida o pior. A personagem parecia mesmo só um bebé chorão sem personalidade nenhuma. Será que ele também era um criminoso para fugir quando o salvaram? Ou os murros provocaram-lhe danos cerebrais? A captura dele por DeVoe foi um misto de sensações, pois se por um lado foi excitante ver The Thinker ao ar livre, o CGI da sua cadeira voadora podia ter sido melhor.

Bem, vamos só passar este episódio à frente e esperar que o próximo faça melhor. “When Harry Met Harry…” trará a descoberta de mais um dos novos meta-humanos e Barry e Cisco irão focar-se em tentar desvendar a identidade de DeVoe. Até lá, boas corridas!

Emanuel Candeias