Classificação

9.5
Interpretação
9.1
Argumento
9.3
Realização
9.7
Banda Sonora

[Contém spoilers]

“He holds the gun against my head”

Mas que episódio… The Flash surpreende-nos com um dos episódios mais emotivos de sempre, certo de deixar a maioria catatónica no final e alguns com os olhos húmidos. Abandonai toda a esperança, pois o futuro é escrito em pedra e a tragédia inevitável.

Um começo que nos deixa a imaginar o pior e um final que entrega o desfecho que desde o início se tentava evitar. A morte de Iris foi a atitude mais correta e qualquer outra escolha teria tornado todo o conflito com Savitar meio inútil. Agora há que esperar e ver como é que Iris irá voltar, pois se a sua morte faz todo o sentido também o seu regresso é a próxima jogada óbvia.  A música escolhida para este episódio (AURORA – “Murder Song”) foi perfeita e enalteceu os sentimentos transmitidos.

Candice Patton esteve radiante esta semana com uma performance expressiva tanto na sua conversa com Joe como na mensagem final que deixou a Barry. “Until death do us part.”

As 4 regras de Snart:

  • Fazer o plano
  • Executar o plano
  • Esperar que o plano dê para o torto
  • Ignorar o plano

Apesar do peso do episódio ainda vimos uma luz ao fundo do túnel e a leveza e humor foram-nos trazidos pelo excelente team-up entre Flash e Captain Cold. O assalto à ARGUS foi tão bom, que espero que no futuro existam mais team-ups entre Flash e os Rogues. A inversão de papéis entre Barry e Snart também foi interessante, tendo sido o vilão a arranjar maneira de derrotar King Shark sem o matar. O desespero de Barry é realçado e chega ao limite quando ele por uns instantes considera ultrapassar a linha de matar alguém para salvar Iris. A dinâmica entre as personagens e os atores foi importante para nos transmitir uma relação de não apenas arqui-inimigos, mas também uma certa amizade ou, pelo menos, respeito mútuo. “You see the good in me. I see the bad in you.” No final, Lyla ter dado a peça dos Dominators a Barry foi um aspeto importante para a distinguir de Amanda Waller e mostrar que o seu fundo é sempre preenchido por bondade, sem falar que permitiu haver o perdão a Barry pelas mudanças que ele provocou com o Flashpoint (apesar de Diggle já o ter perdoado, Lyla ainda não tinha tido essa oportunidade).

Durante toda a temporada também temos sido levados a um emocionante confronto final entre Killer Frost e Vibe. Finalmente, a luta entre os dois no meio da floresta chega, mas o desfecho continua um mistério. Apesar de Cisco já conseguir dominar bem os seus poderes, os seus sentimentos por Caitlin impedem-no de combater sem restrições, já Killer Frost está perante uma linha importante, pois a transformação completa na vilã dependerá nela ser capaz de matar ou não Cisco. Será que ainda existe o suficiente de Caitlin para impedir que o futuro trágico aconteça (em que Cisco perde as mãos)? Terá a situação no episódio passado, com a perda de memória de Barry/Savitar que levou Killer Frost a ser relembrada da sua Humanidade, levado a uma dúvida suficiente em Killer Frost?

Apesar de curta, a demonstração de como HR ficou devastado por ter entregado Iris a Savitar foi dramática e deixou-nos com pena dele. Irá isso levá-lo apenas a afastar-se da Team Flash ou irá HR ser motivado a sacrificar-se de alguma forma para mudar o destino de Iris?

A cena que já há meses tínhamos visto em Infantino Street e que desde então todos os esforços da Team Flash têm sido direcionados para mudar esse acontecimento chega-nos com a esperança de que o final talvez seja diferente. Savitar decide enfrentar Flash e este tem a Speed Force Bazooka, as hipóteses de sobreviver parecem boas… até que tudo corre mal e as peças de dominó caem em cadeia levando-nos ao pior pesadelo do nosso herói.

“Five, four, three, two, one

I know

He knows

That he’s killing me

I’m dead”

Com o filme da Wonder Woman a estrear em breve nos cinemas (1 de junho em Portugal), neste episódio tivemos direito a um easter egg relacionado com a heroína. Mais propriamente com uma das suas clássicas super-vilãs, Cheetah, cujo nome, em conjunto com o de Grood e Cupid, vemos nas celas a identificar os anteriores membros do Suicide Squad.

Adequadamente, o season finale chega-nos em “Finish Line”. Sem nada a perder, o que irá Barry fazer para derrotar Savitar? Será que haverá maneira de trazer Iris de volta? Até lá, boas corridas!

[possível spoiler alert] Teoria de como Barry poderá derrotar e reverter os danos feitos por Savitar:

Desde o começo que Savitar tem estado sempre dez passos à frente de toda a Team Flash, tudo o que ele disse que se ia concretizar realmente aconteceu, por isso uma batalha de frente de Flash vs Savitar é improvável que resolva agora os problemas. Ainda mais porque sabemos do relato do Future Flash que isso é exatamente o que leva à criação do próprio Savitar. Não nos podemos também esquecer que segundo os planos do vilão ainda falta uma peça para ele ter a vitória definitiva. Por isso, a forma de Barry ter uma hipótese de ganhar poderia ser, tal como Snart sugeriu, deixar de ir contra Savitar. Se ele não ceder ao rancor, ao desespero e à vingança, se permanecer um herói e enaltecer a justiça e a esperança não levará isso por si só a que Savitar nunca seja criado e que como consequência as suas ações sejam desfeitas? Estará a chave da ressurreição de Iris nas mãos do otimismo de Barry? Partilhem as vossas teorias.

Emanuel Candeias