Classificação

7
Interpretação
6
Argumento
6
Realização
5
Banda Sonora

Se há coisa que tem de ser dita sobre Tacoma FD é que não é a típica série de bombeiros. Na verdade, os salvamentos impressionantes e os casos insólitos são aqui substituídos pela banalidade de um dia a dia repetitivo e pelos disparates resultantes do aborrecimento de um dia parado no trabalho.

Apesar de não terem o aspeto polido dos bombeiros ficcionais a que estamos habituados, os rapazes de Tacoma FD não desiludem. Aliás, surpreendem-nos pela sua competência. Teria sido muito fácil tornar Tacoma FD numa paródia das séries mais heroicas e melodramáticas sobre este tema, ms aqui o cómico consegue-se pelo lado humano.

Estes bombeiros são tontos, aborrecem-se no trabalho e têm um nível  de à-vontade uns com os outros que dá azo a todo o tipo de situações ridículas. Têm problemas banais como a dificuldade em serem levados a sério e resolvem-nos de uma forma tão awkward como qualquer “civil”. Não estão em constante perigo, nem sempre em contrarrelógio, e até chegam a ter demasiado tempo livre, mas isso não os torna menos capazes de fazer o seu trabalho.

É um conceito engraçado e promissor a que falta apenas um “gatilho cómico”. Acredito que venha a ser a chegada do único membro feminino do elenco (Hassie Harrison) que não tem ainda presença no piloto, mas que talvez tenha sido o elemento em falta.

Portanto: se vens pelos abdominais definidos e pelos momentos heroicos em slow motion, esta não é a série para ti. Mas fica, vai valer a pena.

Raquel David