Classificação

7.8
Interpretação
7.5
Argumento
8.2
Realização
7.7
Banda Sonora

[Contém spoilers]

Quando em 2015 anunciaram que ia estrear uma nova série de Star Trek, Star Trek: Discovery, mas com Bryan Fuller como um dos criadores, admito que fiquei bastante receoso. Apesar de Fuller ter um currículo grandioso, com destaque para Hannibal e American Gods, achava que a sua visão não era a mais adequada para o universo de Star Trek e que traria demasiada escuridão para um ambiente maioritariamente de aventura alegre. Felizmente enganei-me redondamente e, para mim, Star Trek: Discovery foi sem dúvida uma das melhores estreias de 2017. Com uma qualidade cinematográfica ao nível do grande ecrã e com uma história intrigante e completamente envolvente, Star Trek: Discovery foi uma adição perfeita a este universo e que permitiu o seguimento da nova vaga de fãs que surgiu com os recentes filmes da saga.

Desta forma, enquanto esperamos ansiosamente pela 2.ª temporada, que só estreará em 2019, foi com um sorriso que recebemos a notícia de que no entretanto teremos uma minissérie, Star Trek: Short Treks, composta por quatro pequenas histórias focadas em personagens da série. Esta primeira narrativa leva-nos então na mais recente aventura de Tilly. Lembram-se dela? A carismática, ambiciosa e tímida Tilly, que estendeu uma mão a Burnham quando mais ninguém o fez e juntas conseguiram trazer ao de cima o melhor que cada uma delas tem? Durante a 1.ª temporada de Discovery tivemos a oportunidade de ver também a versão maligna de Tilly, que era alguém aterradora e de meter respeito. Tilly revelou-se a personagem perfeita para este tipo de curtas, uma vez que a sua personalidade aberta e fácil torna todo o enquadramento mais rápido e fluido. As informações que o episódio nos deu sobre a família de Tilly e a sua relação com a mãe, assim como a sombra que a irmã lança sobre ela, foram bons complementos daquilo que sabíamos da serie original.

Para além disso, ouvimos muito falar da Mãe Terra, mas neste episódio somos introduzidos ao conceito de Irmã Terra. Já imaginaram terem nascido ao mesmo tempo que o vosso planeta? Me Hani Ika Hali Ka Po – ou só Po, tanto para amigos como conhecidos – trouxe com ela uma personagem com quem se simpatiza instantaneamente, um enredo intrigante com uma boa dose de sci-fi e um excelente encaixar no panorama político e económico da Federação dos Planetas Unidos. O episódio “sabe” basicamente a um episódio de Star Trek: Discovery com tudo de excelente a que estamos habituados. O pior dos piores é mesmo a frustração de um episódio tão curto e que facilmente poderia ter sido bem mais explorado. Apesar de tudo, em 15 min tivemos toda a história compactada de um episódio inteiro. Aguarda-se ansiosamente pelo episódio do próximo mês e recomendam-se estas curtas como obrigatórias para os fãs de Discovery.

Emanuel Candeias