#1 Boa noite e bem-vindos a mais uma rubrica de “Atores de Primeira à Segunda-Feira”, desta vez com Julianna Margulies, uma atriz do mundo do teatro, do cinema e da televisão. Preparados? Vamos então conhecer um pouco melhor a pessoa por detrás da poderosa e fabulosa Alicia Florrick.

#2 Julianna Luisa Margulies nasceu a 8 de junho de 1966 em Spring Valley, Nova Iorque, Estados Unidos. Com mais duas irmãs, é filha mais nova de Francesca Goldberg, professora de dança, bailarina e fisioterapeuta, e Paul Margulies, um criativo do mundo da publicidade que ficou conhecido pelo jingle que compôs para a Alka-Seltzer. Antes de se estabelecer nos Estados Unidos aos 14 anos aquando da sua transferência para o internato High Mowing School em New Hampshire, a atriz viveu na cidade de Paris, França, e em Inglaterra.

2. Julianna com o pai

#3 Foi após a conclusão do ensino secundário, e durante o decorrer do seu curso de História de Arte no Sarah Lawrence College, que Julianna descobriu a sua paixão pela representação, tendo participado em algumas produções académicas. Com o diploma em mão, a atriz partiu para Nova Iorque com o intuito de seguir uma carreira no mundo da performance, trabalhando, no entretanto, em restaurantes e bares para conseguir pagar as contas. O seu primeiro papel foi o de Rica, uma prostituta com um coração de ouro, em Out for Justice (1991).

#4 Antes de conseguir o papel pelo qual ficou famosa, Julianna Margulies participou em séries como Law & Order (1993), Murder, She Wrote (1994) e Homicide: Life on the Street (1994).

#5 Foi precisamente em 1994 que a atriz vestiu pela primeira vez a pele de Carol Hathaway em ER. O primeiro contacto que o público tem com a personagem é no episódio piloto quando Carol, enfermeira, é admitida no hospital onde trabalha após uma tentativa de suicídio. Aliás, de acordo com os produtores, a personagem não era suposto sobreviver, mas ao que parece Carol foi bem aceite pela audiência e acabou por ficar por seis temporadas.

5

#6 A sua permanência na série não só lhe rendeu um famoso romance televisivo com a personagem interpretada por George Clooney, como também lhe valeu variadas nomeações para os mais diversos prémios. Um dos mais relevantes terá sido o Emmy que lhe foi atribuído em 1995 na categoria de Melhor Atriz Secundária em Série de Drama.

#7 Julianna Margulies acabou por abandonar a série no final da sexta temporada, por escolha própria. Muito se especulou acerca das razões por detrás da sua saída, sendo que hoje em dia a atriz fala de um medo de ficar demasiado confortável e da necessidade de experimentar e fazer outras coisas. Ao que parece o pai ter-lhe-á perguntado: “Se fores atropelada por um autocarro amanhã, estavas realmente a viver a tua vida ou estavas à espera de ficar rica?”.

#8 O modo como a sua saída foi escrita permitiu que a personagem fosse trazida de volta na décima quinta e última temporada de ER. Foi durante o décimo nono episódio, que teve como título “Old Times”, que a audiência teve o prazer de rever, não só Carol Hathaway, como também o Dr. Doug Ross (George Clooney) e o Dr. Peter Benton (Eriq La Salle), entre outros.

#9 Durante os seus últimos anos de ER e os primeiros pós-ER, Julianna Margulies teve participações semi-regulares no mundo do cinema e da televisão. Foi Topsy Merritt em Paradise Road (1997), filme onde contracenou com Glenn Close, Frances McDormand e Cate Blanchett. Vestiu a pele de Rachel em A Price Above Rubies (1998), com Renée Zellweger e Christopher Eccleston. Interpretou ainda Sara em The Big Day (1999), com Ivan Sergei.

9

#10 Com a chegada do novo milénio, os papéis entregues a Julianna parecem ganhar mais relevância. A atriz interpretou o papel de Morgaine na minissérie The Mists of Avalon (2001), contracenando com Anjelica Huston, Joan Allen e Samantha Mathis, entre outros. Também em 2001, a atriz assume o papel de Dena em The Man from Elysian Fields, com Andy Garcia, Mick Jagger e Olivia Williams. Já em 2013, mais uma vez numa minissérie, junta-se a Robert Carlyle, Stockard Channing e Jena Malone em Hitler: The Rise of Evil.

#11 No domínio mais do mainstream, Julianna participa como Neena Broderick em Scrubs, é Claire Miller em Snakes on a Plane (2006), interpreta Jennifer Bloom em The Lost Room (2006) e veste a pele de Julianna Skiff na famosa e galardoada série The Sopranos.

#12 É também no ano de 2006 que se estreia oficialmente na Broadway com Festen. Embora tenha participado em várias produções ao longo dos anos, entre elas The Vagina Monologues, Fefu and Her Friends, The Substance of Fire e Intrigue with Faye, foi o seu papel em Ten Unknowns, de Jon Robin Baitz e com Donald Sutherland, que lhe valeu um Lucille Lortel Award.

12

#13 É em 2008 que Julianna retorna aos elencos principais com Canterbury’s Law, uma série que durou apenas seis episódios. Há quem diga que, embora tenha sido um pouco confusa no limiar de não resultar de todo, acabou por funcionar como um casting perfeito para The Good Wife.

#14 Serem advogadas é algo que as personagens de Julianna Margulies em Canterbury’s Law e The Good Wife têm em comum. Fora isso? Ao que parece as semelhanças em termos de personalidade e formas de agir também serão bastantes, sendo o modo como estas foram abordadas e apresentadas ao público usado como justificação para o fracasso de uma e o sucesso da outra.

#15 Enquanto de um lado temos Elizabeth Canterbury, uma advogada dona da sua própria firma que parece entregar-se de alma e coração ao trabalho após o desaparecimento do seu filho; do outro lado temos Alicia Florrick, uma advogada que procura uma firma para exercer após ter passado os últimos anos a cuidar da família e a ser o braço direito do seu marido político que acaba por traí-la. É impossível ignorar as parecenças, mas enquanto Elizabeth Canterbury parece viver à sombra de uma ilusão de poder que nunca questiona, a jornada de Alicia Florrick é de mérito. Alicia não tem que conduzir um Porsche como o de Elizabeth para demonstrar poder.

15

#16 É então em 2009, um ano após a estreia de Canterbury’s Law, que Julianna Margulies volta à advocacia e ao pequeno ecrã com a famosa, bastante bem sucedida e galardoada, The Good Wife.

#17 O papel que parece ter sido escrito para Julianna Margulies, e que é por muitos considerado o único – depois do de Carol Hathaway em ER – a aproveitar realmente os dotes da atriz, terá na realidade sido oferecido primeiramente a Helen Hunt e Ashley Judd.

#18 A série, que ao início foi posta um pouco de lado pela audiência, talvez do mesmo modo que Alicia Florrick foi ao início ignorada pelas pessoas com quem trabalhava, é hoje em dia considerada um grande evento televisivo. Com altos e baixos, The Good Wife vai despedir-se do público já esta semana, no dia 8 de maio.

18

#19 Quando questionada acerca da sua jornada como Alicia Florrick, Julianna afirma ter sido uma das experiências mais recompensadoras da sua carreira. Já ao princípio, quando o sucesso da série ainda não tinha despontado, a atriz confessa que embora os dias fossem longos, era um prazer trabalhar com pessoas como Christine Baranski, uma das dez mulheres que considera ter-lhe mudado a vida.

#20 O futuro da atriz no mundo da representação é agora um grande ponto de interrogação, tendo os seus últimos projetos cinematográficos sido City Island (2009) e Stand Up Guys (2012). Ao que parece, se houver falta de papéis, Julianna não se importa de, talvez, se dedicar à confeção de bolos e afins.

#21 E assim acaba a nossa rubrica. Esperamos que tenham gostado de conhecer melhor a atriz Julianna Margulies. Até para a semana!

21