Classificação

6.8
Interpretação
5.7
Argumento
6.3
Realização
7.5
Banda Sonora

[Contém spoilers!]

Pela Netflix chega-nos Romance Is a Bonus Book, uma comédia romântica sul-coreana falada na língua do seu país de origem, criada por Jung Hyun-jung e realizada por Lee Jeong-hyo.

Sabem aquelas típicas comédias românticas com muita música, corações, clichés e cenas super pirosas? Que normalmente são aquilo a que se costuma chamar girls movies? Foi o piloto desta série! A típica rapariga que se vai casar e o melhor amigo (bem giro, por sinal) está apaixonado por ela, mas não lhe diz porque a quer ver feliz. Acaba por estar extremamente bem conseguida nesse sentido, quase ao estilo de novela adaptada de um livro.

Kang Dan-yi (Lee Na-young) é uma mulher divorciada com uma filha que está longe e que mente ao melhor amigo; Cha Eun-ho (Lee Jong-suk) é bem sucedido na vida profissional, mas um desastre na vida pessoal e amorosa por ter sofrido um desgosto de amor, penso eu, às mãos da melhor amiga.

O episódio de uma hora e cinco minutos começa numa cerimónia de casamento de Kang Dan-yi com Hong Dong-min (Oh Wi-sik), em que ela foge e quem a acude é Cha Eun-ho, que consegue que ela volte e que se case. A amizade que os une mantém-se durante anos, mas acaba por não ser totalmente verdadeira de ambas as partes. Isto porque:

Dan-yi é traída pelo marido, acaba por se divorciar e não conta ao amigo que ficou sem casa e sem trabalho. Cha Eun-ho, que também não faz as perguntas certas de modo a apoiar a amiga que se encontra numa posição difícil, acaba por não perceber o que se passa à sua volta. Dá que pensar: a meu ver, ele está magoado com ela por se ter casado com Hong Dong-min. E percebe-se perfeitamente no dia do casamento que ele é completamente apaixonado por ela, mas porque é que nunca lho disse? Ou aconteceu alguma coisa para que deixassem de estar juntos?

Estas questões ficaram no ar, o que até é bom num piloto, fica o bichinho da curiosidade, deixando a vontade de continuar a ver na cabeça. Quase que uma voz nos chama para ver, do género: e agora o que vai acontecer? Ficam juntos? Neste momento tenho essa voz na minha cabeça. A única coisa que pode (e a mim faz) confusão é mesmo a língua. Quando estão em diálogo ou a personificar sentimentos em coreano parece quase brincadeira, um anime com pessoas reais, o que acaba por descredibilizar ligeiramente o argumento.

Como por exemplo: Dan-yi chora várias vezes ao longo do episódio. Numa situação normal nós agarramos nos sentimentos da personagem e (se formos sentimentais, como é o meu caso) choramos também. A interpretação de Lee Na-young só me dava para rir, porque tinha mesmo graça. Atenção: a personagem é forte e é bem interpretada por Lee, mas a caracterização acaba por não incutir verdade suficiente, no sentido em que não se percebe certas decisões, descredibilizando a personagem e ao mesmo tempo a história.

Margarida Rodrigues Pinhal