Classificação

7
Interpretação
6.5
Argumento
7.5
Realização
6.5
Banda Sonora

Este artigo contém spoilers!

Depois do episódio passado, The 100 levou com um verdadeiro furacão no que toca a reações negativas por parte dos fãs. As críticas foram gigantes inclusive aqui onde eu também expressei o meu desagrado com as escolhas narrativas que têm sido feitas ao longo desta temporada. Confesso que se por um lado a vontade de acompanhar o resto dos episódios de The 100 ficou praticamente no zero, também tinha em mim uma leve curiosidade para perceber como é que este novo episódio, A Sort of Homecoming, iria seguir a história tendo em conta o seu antecedente.

Dado isto, comecei a ver o episódio sem grande vontade. Assumo mesmo que só o fiz pelo compromisso que assumi de todas as semanas dizer-vos o que penso. O início foi muito pouco convincente, mas até consegui acabar o episódio com alguma satisfação. O episódio não é maravilhoso. A nossa mágoa está presente em todos os momentos e, claro, existem dores que são difíceis de perdoar mas tentando esquecer algumas decisões e questões que já falei na review passada, este episódio até foi bom! Sim, tivemos várias questões, a maioria relacionadas com a morte do Bellamy, que não fazem sentido. A explicação da Clarke, toda a reação da Echo e da Octavia ao descobrirem que ele morreu. A própria leveza com que eles assumem a morte dele é questionável, mas como já era de esperar que o assunto fosse desvalorizado, assumo que preferi ignorar um pouco essa parte. Senti que precisava de ver o episódio com um pouco mais de positividade depois de uma semana onde sofremos bastante.

The 100 trouxe-nos momentos bons neste A Sort of Homecoming, como a conversa da Indra com a Octavia. Foi bonita a forma como a Indra mostra a Octavia que não foi só ela que errou. Foram todos e todos têm de assumir a dor e crescer com isso. A conversa da Echo com a Nyla (cuja atriz Jessica Harmon realizou o episódio) foi também muito bem construída com a Echo a revelar pela primeira vez o seu verdadeiro nome. Tivemos o trio Raven, Murphy e Emori com alguns momentos engraçados. Foram momentos que acho que funcionaram bem. Tenho também de dizer que acho a atitude da Clarke um pouco discutível mas aí até percebi a decisão dela e acho que a Madi lhe disse o que todos pensamos. Não gostei mesmo foi da tentativa de casal entre a Hope e o Jordan. Primeiro, os dois atores, na minha opinião, não têm química nenhuma e depois, não me parece que tenha sido o melhor momento para criar esta dinâmica. Nem nós espectadores nem eles personagens estão com foco para isso.

Quanto à morte do Gabriel já vi que houve quem não gostasse e quem gostasse. Na minha opinião achei que a cena funcionou bem. Gabriel morreu a tentar defender a Madi e morreu a dar tudo o que tinha. Morreu como não morreu o Bellamy, por exemplo. Com honra e de acordo com a sua personalidade. Para além disso, achei que ele morreu em paz e aceitou a sua hora. Depois de no episódio passado termos visto a conversa dele com Josephine (que sim, foi um bom momento mas que me passou ao lado de tão chateado que estava) acho que percebemos todos que ele ainda a amava e que se sentia fora do seu tempo. Assim sendo, achei uma morte justificável e pacífica que só honra o personagem.

Sabemos que no próximo episódio teremos Madi contra Sheidheda e que o bunker está a cair devido à bomba que eles mandaram. Veremos o que aconteceu com quem estava lá dentro. O Murphy e a Emori levaram com pedras em cima e estou com um feeling que algum poderá morrer. Espero que não! Já bastou a Cersei e o Jamie para morrerem com uma derrocada. Mas estou curioso para saber o que aconteceu com a Raven, com a Echo e com a Nyla que também estavam ali perto da derrocada.

Mas é isso, cá estaremos para o próximo episódio que será o penúltimo da série. Já não peço muito. Que seja no mínimo como este ou melhor para termos um final digno dentro do possível tendo em conta o que já aconteceu. Cá estaremos para ver.

Até para a semana!

Carlos Real