Classificação

7.5
Interpretação
5.5
Argumento
6.5
Realização
6
Banda Sonora

Este artigo contém spoilers!

Pois é, depois de um episódio com o da semana passada, que nos deixou a todos super empolgados com o possível spin-off de The 100, esta semana voltamos a ter um episódio morno com The Flock. Digo morno porque não quero dizer chato. Estou a gostar bastante desta temporada de The 100, como já disse antes para mim a qualidade subiu imenso em relação a temporadas anteriores, mas The Flock foi muito pouco impactante e sinceramente é daquelas vezes em que me sento a escrever e sinto que pouco ou nada me apetece dizer sobre o que vi.

Começo pelo Sanctum, onde tivemos a continuação do plot de Nikki a raptar Emori e a provocar a raiva do Murphy. Aconteceu basicamente aquilo que prevíamos. Indra regressou e viu-se obrigada a fazer uma pacto com Sheidheda para salvar a população da raiva incessante de Nikki por Raven. Tudo corre mais ou menos como planeado e eles lá conseguem salvar Emori e parar Nikki mas claro, de uma forma muito mas mesmo muito ingénua, Indra permite que Sheidheda fique fechado com as pessoas e ele claro, matou-as a todas usando um suporte de velas. A propósito, o melhor shot do episódio é mesmo Sheidheda todo banhado em sangue e a segurar o suporte das velas, que é em forma de tridente, fazendo assim lembrar a clássica imagem do Diabo. Acredito que não foi por acaso e daí os meus parabéns para esse momento. O que vai acontecer a seguir? Sim, adivinharam, vamos ter Sheidheda contra Indra e o plot do Sanctum vai continuar uma seca. Espero mesmo estar errado!

Em Bardo, o  nosso tão querido planeta Bardo onde ao que parece existem monstros de gelo lá fora e o ar é tóxico, tínhamos visto a chegada de Clarke e do seu bando. Pois, mas esqueça isso porque, uma vez mais não tivemos Clarke nem Bellamy. Voltamos sim atrás no tempo para nos explicarem como foi o treinamento de Dyioza, Hope, Octavia e Echo durante os meses onde se tornaram discípulas de Bardo. Hope foi a única a não passar os teste. Basicamente o teste consistia em através de uma realidade virtual, matar alguém próximo para impedir que esse alguém destruísse bardo. No caso de Dyioza, Echo e Octavia, elas tinham de matar Hope e assim o fizeram. Hope tinham de matar Dyioza, a sua mãe, mas não o fez. Echo como a melhor aprendiz teve a oportunidade de dar o castigo a Hope que será passar cinco anos no planeta Beta.

Descobrimos também que em Bardo não existe reprodução normal. Os bebés são criados em laboratórios e são geneticamente modificados para que não existam limitações neles como doenças ou deformações que podem acontecer durante uma gestação normal. Eles fazem isto para que não existam laços familiares entre os discípulos. Quase que uma barreira de sentimentos que neste caso, Octavia levou Levitt a quebrar. Espero que Levitt não a esteja a manipular. A nossa Octavia já merece ser feliz. Fica é a dúvida se Echo, Octavia e Dyioza estão mesmo dentro do espírito do culto de Bardo como dizem ou se estão simplesmente a fingir para tentarem descobrir mais coisas e escapar. Espero que seja o caso!

Como disse no início, The Flock foi muito morno e também não vou estar a esticar algo que foi em si muito simples. Durante as próximas duas semanas não temos episódios novos de The 100. Aproveitem este tempo para ver ou rever algumas coisas que ficaram menos explicitas e voltaremos em força para o final da série. Quem quiser, todas as quartas faço lives de The 100 no Instagram do Séries da TV em @sdtvvoficial e lá discutimos todos juntos os episódios semanais. Durante as semanas de pausa estaremos lá para fazer uma recap do que aconteceu até agora. Por isso, recomendo-vos a aparecer.

Da minha parte é tudo. Até ao próximo episódio!

Carlos Real