10×14 – The Executioner’s Song

10×14 – The Executioner’s Song

Contém SPOILERS!

A nove episódios do season finale, tivemos um episódio totalmente focado na trama central da temporada e, para meu (e, certamente, vosso) espanto, Supernatural está a seguir um caminho surpreendente (não sei se positivo ou negativo) para o desenlace da problemática apresentada. A cura de Dean está cada vez mais distante e, possivelmente, nem existirá. Resta-nos aguardar que a produção da nossa série não enverede por fillers infinitos e inúteis e aposte em desenvolvimentos que nos tragam a antiga glória que Supernatural já teve.

Mal as imagens iniciais começam a correr, ficamos a saber que Caim está de volta. Ainda não o fiz, mas devo pedir desculpa por traduzir o nome de Cain… mas, dada a tradição cristã de Portugal, julgo que o nome português é o mais adequado. Ora bem, o primeiro grande demónio criado por Lúcifer, Caim, regressa em grande. Após séculos/milénios de um autocontrolo exemplar, Caim tem uma recaída e começa a matar a partir do momento em que transfere a marca para Dean. Caso não se recordem, Dean necessitava da marca de Caim para empunhar a primeira lâmina, a única arma para matar Abbadon (outra que teve uma morte muito fácil e fraquinha). Caim é o “monstro” deste episódio… ele decidiu encetar numa longa missão de purificação do planeta, ou seja, decide matar toda a sua descendência, ou seja, todos aqueles que cometem crimes violentos ou que poderão ainda cometer! Ora bem, tratando-se de um dos seres humanos originais, Caim matará cerca de um décimo da população mundial.

Sam e Dean vão investigar uma misteriosa fuga de um corredor da morte. O senhor em questão havia morto algumas pessoas e orgulhava-se disso. Assim que Dean começa a ver a gravação das câmaras de vigilância dessa noite, percebe logo quem foi: Caim. É com a ajuda de Castiel que o trio consegue seguir o rasto do malfeitor, no entanto, há algo que necessitam para o matar: a lâmina de Caim.  É aqui que Dean usa do seu poderoso sentido de bluff e liga a Crowley a exigir que este lhe apresente a maldita lâmina, sob o pretexto do rei dos demónios incluir na lista de seres a eliminar de Caim.

Com a equipa transformada em quarteto, depressa conseguem montar uma armadilha a Caim e Dean, extremamente controlado, mata-o! Confesso que, comparando à situação de Abbadon, estava à espera mais luta. Por outro lado, esperava também que Caim não morresse e ajuda-se Dean a livrar-se da marca. No entanto, o filho de Adão revela que não há cura para a marca e que é uma questão de tempo até que Dean perca o controlo e entre numa espiral interminável de homicídios violentos… a marca assim o exige!

Com esta situação resolvida, Dean, extremamente controlado, entrega a lâmina a Castiel para que a esconda e confessa Crowley que o enganou. Pois é… o rei dos demónios ficou furioso com o seu bff!

Quem também teve o seu momento de glória foi Rowena, a malvada-bruxa-que-também-é-mãe-do-rei-dos-infernos. Além da visível influência que tem no filho, é uma drama queen para conseguir o que quer! Aplaudo de pé o nível de manipulação que ela consegue exercer sobre tudo e todos!

Mais uma vez, a banda sonora esteve top!

Questões em análise:

  • E agora? Dean, sabendo que não há cura para a sua condição, conseguirá controlar-se, ou vai voltar a ser um demónio impiedoso?
  • Qual o plano de Rowena? Conseguirá dominar o filho e, consequentemente, será a primeira bruxa a dominar o inferno?

Nota: 7.5/10

Rui André Pereira