Classificação

8
Interpretação
5
Argumento
6
Realização
7
Banda Sonora

Nunca pensei que fosse possível um penúltimo episódio de uma temporada (e logo da primeira!) ser filler. A sério! Quando o último episódio acabou com a execução do Myriad, pensei que este fosse bombástico, uma luta contra o tempo, um saborzinho do que vi numa temporada inteira sobre controlo de mentes em Jessica Jones.

Myriad foi, à falta de melhor palavra, aborrecido. Kara viu-se praticamente sozinha, com Lucy sob o poder de Non e companhia e Alex e J’onn fora da cidade em busca do Projeto Cadmus. Quem sobrou? Cat Grant e o sempre irritante Maxwell Lord. Afinal o geniozinho milionário sabia bem o que vinha aí e tratou de manter boca fechada e salvou-se só a ele e a Cat.

Como sempre, o plano de Max era extremo. Lançar uma bomba para aniquilar os extraterrestres e, assim, Myriad. Os riscos? Cerca de 8% da população seria morta e Kara não poderia voltar a National City durante 50 anos devido ao Krypton.

É assim, eu percebo as preocupações de Non. A Terra terá o mesmo destino de Krypton eventualmente e eles querem forçar as pessoas a solucionar os problemas agora. As ideias é que são todas erradas. Em termos de controlo, colocam os ditadores a um canto.

Mas, mas… Myriad tem um problema. Não é assim  tão interessante e foi mal trabalhado ao longo da temporada. Viu-se pela maneira como o trio andou a molengar o episódio todo. Tudo girou à volta da solução e aposto que a ideia de Cat da “esperança” é que vai ser a solução. Kara a fazer discursos, acordar as pessoas. Comparando com o que aconteceu nas outras séries de Berlanti, a season finale e os episódios que a antecediam eram muito melhores. Também o facto de Non ser um vilão medianíssimo não é motivo para me deixar mais entusiasmada. Ele apareceu mesmo poucas vezes e não tem o carisma para ser o mauzão, porque é óbvio que Kara vai dar cabo dele em três tempos. Astra partiu demasiado cedo. E Indigo faz-me lembrar demasiado um avatar, é irritante até dizer chega!

O melhor de todo o episódio? Cat Grant. O namorisco entre ela e Max (espero que isto signifique que vão abandonar o romancezeco entre ele e Alex) e a química entre ela e Kara e Supergirl. A sério, Cat é cada vez mais uma personagem essencial nesta série.

Já Alex e J’onn foram parar a casa da mãe dela e foi aí que souberam o que se andava a passar em National City. Primeiro, quanto tempo é que eles demoraram a sair da cidade? Eu esperava que já andassem pelo país fora! Segundo, a peruca de Alex não vos fez lembrar os tempos da atriz em Grey’s Anatomy, quando Lexie pintou o cabelo de loiro? A mim também.

O final foi qualquer coisa, mas não chega para salvar o episódio. Fica para a season finale a batalha épica que se avizinha entre Kara e Alex. Espero que valha a pena!

Entretanto, a CBS continua sem renovar Supergirl. Eu já disse que a série merece, mas a declaração está a custar a sair.

Maria Sofia Santos