Classificação

7.5
Interpretação
6
Argumento
6
Realização
7.5
Banda Sonora

[Não contém spoilers]

Começo por dizer que não vi a The 4400 original, por isso parto para este piloto completamente livre de comparações. Tenho também de confessar que a última vez que vi uma série da The CW deve ter sido One Tree Hill, uma informação que pode parecer completamente aleatória, mas que mostra que me tenho mantido afastada das séries do canal nos últimos anos.

Foi portanto uma espécie de desafio a mim mesma assumir esta crítica ao primeiro episódio de 4400, série que acompanha um grupo de (sim, adivinhaste!) 4400 pessoas que aparecem misteriosamente num sítio, vindas dos mais diversos locais e épocas temporais. O ponto de partida não é mau e fiquei agradavelmente surpreendida por perceber que a série ia abordar questões como o racismo (uma grande maioria das 4400 são, aliás, pessoas negras). No entanto, ao mesmo tempo pensei se este drama não estaria a ser demasiado ambicioso, até porque a The CW é conhecida pelas séries teen e de super-heróis e não pela profundidade que empresta às suas histórias.

Apesar dos péssimos efeitos especiais, mas que se conseguem esquecer, porque só tiveram uns segundos de ecrã, o episódio não começa nada mal. Há algumas partes um bocado precipitadas, sim. A forma como se desenrola logo uma investigação; como se descarta imediatamente que aquelas pessoas não combinaram encontrar-se ali porque não foi nada organizado nas redes sociais; e como todos parecem aceitar que realmente se encontram em 2021 e não na época de onde vieram… Parece que não houve esforço suficiente para criar algo mais credível, mas nem isso é realmente problemático, porque foi feito o suficiente para suscitar curiosidade. Há pessoas que vieram de décadas distantes – outras são já do início do século XXI – e vê-las tentar compreender este novo mundo para o qual se viram “arrastadas” sem explicação também é cativante.

Contudo, a segunda metade do episódio desce de qualidade. Quando acho que devíamos estar a conhecer o panorama geral da situação e não os personagens ao pormenor, a trama passa a focar-se muito em histórias específicas algo previsíveis e que já estão demasiado vistas. O meu interesse diminuiu exponencialmente e fez-me pensar que os meus instintos iniciais acerca de 4400 estavam certos. Não fiquei com grande vontade de ver mais, apesar de o elenco e a banda sonora serem bastante razoáveis. Em termos de argumento e realização o nível baixa um bom bocado, mas ainda assim não é nada de que a The CW precise de se envergonhar.

Talvez simplesmente não seja série para mim, mas até mostrou potencial para fazer melhor. Talvez se mudar um bocado de rumo e se centrar no mistério e não nos dramas pessoais consiga honrar melhor aquilo a que se propôs.

Diana Sampaio