Classificação

7
Interpretação
6
Argumento
7
Realização
6
Banda Sonora

[Livre de spoilers!]

When the Streetlights Go On é uma série de crime e drama da Quibi que segue os eventos ocorridos após o assassinato de uma jovem e do seu professor, personagens que estavam envolvidas romanticamente. As séries da Quibi apresentam uma duração máxima de 10 minutos, pois foram pensadas para serem visualizadas em telemóveis ou outros dispositivos móveis. Torna-se assim difícil avaliar o episódio piloto de When the Streetlights Go On, que, com uma duração de 8 minutos, apenas tem tempo para expor a premissa inicial.

Apesar de não conseguir adiantar muito acerca do conteúdo da história, devido à curta duração do episódio, nem mesmo especular acerca do seu futuro, posso dizer que parece ter qualidade técnica e artística. Desde o primeiro minuto que a fotografia me pareceu excelente, bem como algumas opções de câmara, com uma estética de anos 80, que é sempre muito comparada a séries recentes como Stranger Things ou Dark.

O episódio apresenta brevemente as irmãs Chrissy (Kristine Froseth) e Becky (Sophie Thatcher), bem como Charlie (Chosen Jacobs), que aparece em voice-over a narrar os acontecimentos trágicos do crime. Foi importante apresentar estas personagens que, após a morte das principais, guiarão a série tentando descobrir quem é o assassino, suponho.

É de destacar que em tão pouca duração o episódio foi capaz de me intrigar. Fiquei com aquela sensação de “é isto?”, mas não necessariamente num mau sentido, apenas por acabar com a sensação de ver algo incompleto, como se apenas me tivessem dado a provar uma migalha de algo muito maior e mais complexo.

No entanto, tenho que dizer que também não me fez procurar imediatamente o episódio seguinte, talvez porque não estivesse suficientemente conectada às personagens para querer saber quem era o assassino. Acho que é daquelas séries que posso ver se algum dia estiver com disposição para séries de crime, mas não subiu imediatamente para a minha lista de prioridades.

E vocês, já viram?

Ana Oliveira