Classificação

8
Interpretação
8
Argumento
8.5
Realização
8.5
Banda Sonora

Todos nós sabemos que a adolescência por si só não é fácil, é um tornado desagradável de emoções, hormonas e confusão sobre a própria identidade, um caminho árduo até à idade adulta. E, como se isto não chegasse, uma mudança para uma base militar no outro lado do atlântico certamente não ajuda. É aqui que começa esta história, We Are Who We Are, que nos irá contar a vida de Fraser Wilson (Jack Dylan Grazer), um jovem adolescente que se acaba de mudar com as suas duas mães militares da América para uma base militar em Veneto, Itália. Será uma série de oito episódios co-criada pelo também autor de Call Me by Your Name, Luca Guadagnino.

Tal como estava à espera, este primeiro episódio teve um ritmo lento, em que se vê que os criadores gostam de ‘perder’ tempo deixando a história se desenrolar (às vezes até mais do que o necessário, e isto não é exatamente mau, pelo menos aqui não o foi). Logo nos primeiros minutos conseguimos aprender muito sobre a personalidade de Fraser, que tem detalhes interessantes, tais como unhas pintadas, calções largos de leopardo, entre outros.

Também fica logo visível como o olhar dos outros jovens, não num bom sentido, recaiem sobre ele. Muitas das emoções adolescentes carregadas ao longo deste piloto parecem, na maior parte, genuínas e convincentes acompanhadas de uma trilha sonora agradável, que consegue um destaque especial ao longo desta hora e com músicas que ficam no ouvido.

A dinâmica familiar aqui apresentada também é deveras interessante, se virem o episódio vão perceber claramente ao que me refiro, e acho que isto por si só é motivo suficiente para dar uma espreitadela nesta mini série. Ficamos sempre intrigados com a maneira como as suas mães lidam com os problemas relativos ao seu filho.

Neste momento, a base militar serviu apenas de palco para o que está em foco nesta série: os jovens e os seus relacionamentos, mas seria também interessante que o local onde estão inseridos interferisse mais na história e que condicionasse o rumo dos acontecimentos, coisa que não aconteceu neste episódio. Para além disto, podem contar com cenas de nudez que não parecem muito forçadas  e encaixam bem no rumo dos acontecimentos mas também não trazem grande coisa para a história.

Foi assim, no geral e em modo de conclusão, um episódio interessante que se desenvolveu a um ritmo lento (como já havia referido) mas ao mesmo tempo bem moldado, envolvente e que nos deixa com vontade de mais. Não houve pontos negativos relevantes o suficiente, para mim, que mereçam ser mencionados nesta review. Todos os atores estiveram dentro das expectativas, sendo que o jovem ator conseguiu claramente destacar-se e transmitir-nos emoções reais.

Filipe Tavares